EFE/Alexander Ermochenko
EFE/Alexander Ermochenko

Confrontos matam 9 soldados em Donetsk

Os confrontos entre os separatistas pró-Rússia e as tropas do governo ucraniano, em Donestsk, deixaram nove soldados mortos e 26 feridos entre domingo e ontem, segundo afirmou ontem o porta-voz de Kiev, Vyacheslav Seleznyov. De acordo com ele, em menos de 24 hora as forças do governo foram atacadas pelos rebeldes em mais de cem ocasiões diferentes, especialmente na cidade de Debaltseve.

DONETSK, UCRÂNIA, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2015 | 02h02

Kiev afirmou também que, durante os ataques, 70 rebeldes foram mortos e 14 equipamentos dos separatistas, entre tanques, blindados, lançadores de mísseis e peças de artilharia, foram destruídos.

Além dos soldados, pelo menos 12 civis foram mortos durante o fim de semana. De acordo com a polícia regional de Donetsk, bombardeios na cidade deixaram cinco vítimas. As outras sete mortes ocorreram em Debaltseve e Avdiivka.

Uma fábrica em Donetsk também foi destruída após ser bombardeada, ferindo 20 pessoas. De acordo com os separatistas, no local seriam produzidos agentes químicos. Autoridades ucranianas, porém, disseram que a instalação era usada para produzir explosivos, munições e bombas aéreas usadas pelos rebeldes.

Acusação. O porta-voz do governo ucraniano, Andri Lysenko, afirmou ontem que cerca de 1.500 soldados russos cruzaram a fronteira em áreas controladas pelos rebeldes durante o fim de semana. Lysenko não apresentou, porém, nenhuma prova para comprovar a acusação, que foi negada pela Rússia.

Moscou afirmou que não fornece nem armas nem soldados para os separatistas, mas especialistas militares ocidentais afirmam que a quantidade de novos armamentos pesados na região seria uma prova do envolvimento dos russos no confronto. / AP, EFE e REUTERS

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;
Tudo o que sabemos sobre:
crise na UcrâniaO Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.