Confrontos matam dois e mancham eleição no Egito

Pelo menos duas pessoas morreram e 100 ficaram feridas nesta sexta-feira em confrontos entre manifestantes e soldados no Cairo. Foram os incidentes mais violentos no Egito desde o início do seu processo eleitoral, há quase três semanas.

MAHA DAHAN E TAMIM ELYAN, REUTERS

16 de dezembro de 2011 | 18h38

Como se tornou habitual em nove meses de regime militar desde a deposição do presidente Hosni Mubarak, o confronto aumentou repentinamente com a chegada de mais manifestantes às ruas.

Fontes médicas disseram que duas pessoas morreram, mas um funcionário de um hospital de campanha disse que uma terceira pessoa baleada morreu. O Ministério da Saúde informou que os distúrbios no centro da capital deixaram um morto e 105 feridos.

A violência continuou após o anoitecer, com manifestantes atirando pedras e bombas incendiárias contra o prédio onde o governo despacha, quebrando vidraças e depredando câmeras de segurança. Soldados dispararam contra manifestantes que apedrejavam o Parlamento. Não ficou claro se eles usavam balas de borracha ou munição real.

Os incidentes haviam começado na noite anterior, quando a polícia militar tentou dispersar ativistas. Irritados com a brutalidade policial, os manifestantes iniciaram o confronto, que logo tomou conta das ruas em torno do Parlamento.

No começo da tarde, ambulâncias passavam com sirenes ligadas, enquanto soldados tentavam expulsar os manifestantes usando cassetetes e, aparentemente, segundo testemunhas, dispositivos elétricos para mover gado.

Relatos de agressões contra ativistas conhecidos se espalharam pelas redes sociais, e políticos islâmicos e liberais condenaram a ação do Exército.

"Mesmo que a ocupação fosse ilegal, deveria ter sido dispersada com tal brutalidade e barbárie?", perguntou Mohamed ElBaradei, candidato a presidente e ex-chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU).

Uma fonte militar disse que 32 membros das forças de segurança ficaram feridos ao tentar impedir uma invasão do Parlamento.

A ocupação de manifestantes em frente à sede do governo era remanescente de protestos maiores, no mês passado, em torno da praça Tahrir, nos quais 42 pessoas morreram logo antes do início daquela que é considerada a primeira eleição livre em seis décadas.

"O Conselho (Militar, que controla a política egípcia atualmente) quer estragar as eleições. Eles não querem um Parlamento que, ao contrário deles, tenha legitimidade popular e iria desafiar a autoridade deles", disse o ativista Shadi Fawzy. "Não acredito que eles irão entregar o poder em junho."

A junta militar promete realizar eleições parlamentares em junho de 2012.

(Reportagem adicional de Marwa Awad, Omar Fahmy, Shaimaa Fayed, Ashraf Fahim e Amr Dalsh)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOELEICAOCONFRONTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.