Confrontos mataram 165 em uma semana no Sudão do Sul, diz Exército

Onda de violência assola o território semiautônomo antes da independência formal, em julho

Reuters

25 de abril de 2011 | 16h47

JUBA - Pelo menos 165 pessoas foram mortas na última semana em combates entre o Exército do Sudão do Sul e milícias, informou o Exército nesta segunda-feira, 25. A onda de violência atinge o território antes da independência formal, em julho.

Forças leais a dois comandantes militares renegados lutaram contra o Exército do Sul (SPLA), nos Estados de Jonglei e Unity, matando soldados, rebeldes, civis e tribais do norte, disse o porta-voz do SPLA, Malaak Ayuen.

Sudaneses do Sul votaram em janeiro para se separar do norte, que vai separar em duas a maior nação da África em julho. O referendo foi prometido em um acordo de paz em 2005, que acabou com décadas de guerra civil. Analistas dizem que o sul, que é produtor de petróleo, poderá fracassar como Estado depois da independência e desestabilizar toda a região.

Este ano, o SPLA entrou em conflito armado contra pelo menos sete milícias rebeldes. A região também é assolada por conflitos tribais tradicionais e enfrenta incursões de rotina no oeste por rebeldes do Exército de Resistência do Senhor, de Uganda, de acordo com a ONU. A violência em nove dos dez Estados do sul já matou mais de 800 pessoas - sem contar os que morreram nas últimas duas semanas - e deslocou quase cem mil pessoas.

Ayuen disse que uma ofensiva no Estado de Unity liderada pelo ex-oficial do SPLA Pedro Gadet matou 101 pessoas desde terça-feira. "Na luta no Estado de Unity, perdemos 26 soldados do SPLA e pelo menos 70 rebeldes foram mortos, provavelmente mais", disse ele, acrescentando que o dados não incluem um confronto no domingo. Três mulheres e duas crianças morreram vítimas de bala perdida. Os outros mortos eram combatentes, disse ele.

O governo semiautônomo do sul acusa Cartum de apoiar e mobilizar as milícias contra Juba para criar instabilidade e manter o sul fraco e dependente da infraestrutura de petróleo do norte. Cartum nega a acusação.

Cerca de 75 % da produção petrolífera do Sudão (de 500 mil barris por dia) vem do sul, mas as refinarias e porto estão no norte. A produção de petróleo no estado de Unity foi prejudicada pela violência, de acordo com funcionários do estado, que frisaram a ameaça que a insegurança representa para a economia.

Tanto o SPLA e as milícias rebeldes foram acusados de violações direitos humanos na crise atual, o que o SPLA nega.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoÁfricaSudão do sulconfrontos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.