Confrontos na Colômbia preocupam o Brasil

As Forças Armadas brasileiras estão acompanhando atentamente a mobilização das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que estão em confronto direto com os militares colombianos, desde a posse do novo presidente, Álvaro Uribe. As informações disponíveis entre os militares brasileiros são de que as Farc avançaram em direção à Venezuela, mas não estão fazendo o mesmo em direção à fronteira brasileira. Apesar disso, o Exército mantém intensa a vigilância na fronteira da região Amazônica, iniciada no começo do ano com a realização do primeiro exercício combinado entre as três forças - a Operação Tapuru. Os oficiais estão convencidos de que a mobilização de tropas feita na época serviu para mostrar aos países vizinhos que o governo brasileiro tem condições de deslocar pessoal e equipamentos em curto espaço de tempo para combater qualquer ameaça. Paralelamente à mobilização do Exército, a Aeronáutica mantém o pessoal das bases aéreas de Manaus e Boa Vista em posição de alerta, decisão tomada há algum tempo, desde que as mobilizações das Farc foram intensificadas. Apesar de um pouco mais tranqüilos no controle do espaço aéreo, devido a entrada em operação do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam), os militares da FAB ficam apreensivos porque, com o contingenciamento determinado pela área econômica, não dispõem de recursos para colocarem combustível para os aviões voarem.

Agencia Estado,

13 Agosto 2002 | 22h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.