Confrontos no norte do Iraque deixam 15 mortos

Quinze pessoas foram mortas nestedomingo, incluindo dez supostos insurgentes da rede Al Qaeda,durante confrontos com unidades da segurança local no norte doIraque, segundo as forças dos Estados Unidos. Os militares afirmaram que insurgentes atacaram uma baseestabelecida por uma unidade de segurança apoiada pelos EUA,perto de Sinjar, pequena cidade situada 400 quilômetros anoroeste de Bagdá, na Província de Nineveh. Foram mortos cinco integrantes da unidade, denominada pelosmilitares de "cidadãos locais preocupados" ou CLC (sigla eminglês), e outros cinco ficaram feridos, segundo forças dosEUA. A unidade contra-atacou, matando 10 insurgentes, disseramos militares. As unidades de defesa de bairros e regiões se espalharampelo Iraque depois de formadas por líderes tribais árabessunitas que se voltaram no fim de 2006 contra a Al Qaeda naprovíncia de Anbar, oeste do país, e a elas é atribuída a quedaacentuada da violência. Elas ajudaram a expulsar a Al Qaeda de antigos redutos emAnbar e no entorno de Bagdá. Militantes da Al Qaeda,organização sunita islâmica, se reagruparam em províncias nonorte do Iraque, onde os EUA e forças iraquianas lançaram umasérie de operações este ano. O primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, anunciou umaofensiva final "decisiva" contra a Al Qaeda em Mossul, capitalda província de Nineveh, depois de uma sucessão de ataquesmortais no mês passado. A polícia da província relatou que o confronto irrompeuantes da madrugada deste domingo, mas afirmou que a lutaocorreu em dois vilarejos perto da cidade de Tal Abta, sul deMossul, e não perto de Sinjar, situada a oeste da capitalprovincial. Segundo a polícia iraquiana, atiradores em 20 veículosatacaram os vilarejos, matando quatro membros do CLC e umamulher. A polícia também disse que dez atacantes foram mortos,mas não houve uma explicação imediata para a aparentediscrepância sobre a localização dos ataques nessas áreasremotas. Os ataques no Iraque se reduziram em 60 por cento desdejunho, quando os EUA completaram o envio de mais 30 mil de seussoldados para o território iraquiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.