Confrontos no Paquistão deixam 34 militantes e cinco soldados mortos

Batalha ocorreu em Orakzai, região tribal do país; outros 14 militares ficaram feridos

Reuters

26 de março de 2010 | 09h42

HANGU - Soldados paquistaneses matarampelo menos 34 militantes depois de cerca de 150 membros do Taleban atacarem um posto de controle militar no noroeste do país nesta sexta-feira, 26, segundo fontes do governo do Paquistão.

Um oficial militar e quatro soldados paramilitares também foram mortos no ataque militante em Orakzai, um dia depois de jatos paquistaneses matarem quase 50 pessoas, a maioria militantes, em bombardeios contra uma escola e um seminário islâmico na mesma região, segundo uma fonte governamental. O ataque do Taleban também deixou 14 soldados feridos.

 

No ataque, cerca de 150 integrantes do Taleban atacaram ainda de madrugada um posto de controle na província, desencadeando um confronto. "Eles atacaram de três lados, o que continuou por quase três horas, na qual um tenente-coronel e quatro outros funcionários de segurança foram mortos", disse Khaista Rehman, funcionário do governo. "As forças de segurança lançaram o contra-ataque em que 24 militantes morreram." Uma fonte paramilitar disse que até 30 militantes haviam sido mortos.

Mais tarde, jatos e helicópteros alvejaram supostos esconderijos de militantes em várias partes de Orakzai, matando outros dez, segundo Mohammad Asghar Khan, também funcionário do governo.

Orakzai, uma das sete regiões tribais perto da fronteira com o Afeganistão, tem registrado uma onda de ações militares nos últimos meses, contra militantes que haviam sido expulsos do seu reduto no Waziristão do Sul. Acredita-se que a região também abriga os seguidores de Hakimullah Mehsud, líder taleban supostamente morto por um bombardeio americano em janeiro.

No ano passado, o Paquistão realizou duas ofensivas em regiões de fronteira - no vale do Swat e no Waziristão do Sul -, e o governo disse que isso desestabilizou os militantes islâmicos. 

Apesar de perder forças, o Taleban reagiu com explosões que mataram centenas de pessoas, levando os soldados a reforçarem os ataques em outras regiões do noroeste paquistanês onde os militantes teriam se refugiado após as ofensivas.

A ação militar paquistanesa contra os militantes na fronteira é vista como parte crucial dos esforços dos EUA para derrotar o Taliban no Afeganistão. Nesta semana, os EUA prometeram acelerar a liberação de ajuda militar ao Paquistão, como forma de reforçar a cooperação bilateral.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebanataqueOrakzai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.