Confrontos no Sri Lanka deixam 8 mortos e 41 feridos

Três civis e cinco soldados morreram nesta segunda-feira no Sri Lanka, em mais um dia da onda violência entre rebeldes separatistas e forças do governo que atinge o país asiático. Outras 41 pessoas ficaram feridas nos confrontos entre o Exército do Sri Lanka e os rebeldes Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (Ltte) no nordeste da ilha, informou a agência indiana PTI.Os três civis morreram por causa de uma mina que provavelmente tinha sido colocada pelos rebeldes com o objetivo de atingir as tropas do Exército cingalês, segundo fontes militares locais.O Exército iniciou no domingo à noite ataques com morteiros contra o povoado de Sampur, no distrito de Tricomalee, de onde os rebeldes atacam uma zona militar-chave da Marinha cingalesa.O porta-voz militar do Sri Lanka, general Prasad Samarasinghe, disse à imprensa que os rebeldes atacaram dois acampamentos militares da zona, o que levou os agentes a reagirem.A zona naval é o ponto de início para operações de carga e de transporte de tropas com destino à península de Jaffna, onde o Ltte tem forte presença."O objetivo é neutralizar as peças pesadas de artilharia dos Tigres em Sampur", afirmaram fontes oficiais.Os rebeldes também atacaram neste mês uma indústria que a empresa Indian Oil tem na zona de China Bay, em Tricomalee.Embora a instalação da Indian Oil não tenha sido atingida, uma fábrica próxima recebeu um impacto de morteiro."Tigres" separatistasOs rebeldes do Ltte pegaram em armas em 1983, reivindicando uma nação separada para a população de 3,2 milhões de origem tâmil - segundo eles, discriminada pela maioria sinegalesa.O conflito resultou na morte de 65 mil pessoas antes de um cessar-fogo estabelecido em 2002. Recentemente, no entanto, o Sri Lanka voltou a viver uma escalada de violência com os dois lados lançando ofensivas miliares em larga escala - embora nenhum tenha desistido do cessar-fogo. Centenas de combatentes e civis morreram desde o final de julho, e 204 mil pessoas ficaram desabrigadas devido aos ataques aéreos e bombardeios.Matéria atualizada às 15h46.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.