Confrontos no Sri Lanka deixam treze rebeldes tâmeis mortos

No dia 16 de janeiro, a guerra no país recomeçou após ruptura do acordo de cessar-fogo entre governo e guerrilha

Efe,

28 de janeiro de 2008 | 05h20

Pelo menos treze rebeldes dos Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE) morreram em confrontos com as tropas do Sri Lanka no distrito de Vavuniya, no norte da ilha, informou nesta segunda-feira, 28, o Ministério de Defesa cingalês em comunicado. No choque mais violento, seis membros da guerrilha morreram na zona de Vilathiukulam. Os outros rebeldes morreram em confrontos em diferentes pontos de Vavuniya. Segundo a nota, dois soldados cingaleses morreram na explosão de artefatos nesse mesmo local. O site Tamilnet informou que pelo menos quinze soldados do Exército do Sri Lanka morreram e outros 30 ficaram feridos no domingo durante uma ofensiva que se prolongou por mais de cinco horas no distrito de Mannar (norte). A guerrilha e o Exército livram diariamente confrontos e se apressam em emitir comunicados para informar dos danos causados ao inimigo, embora essas informações não tenham comprovação independente. Os LTTE lutam há mais de duas décadas para conseguir um Estado independente nas regiões do leste e do norte do país, onde a etnia tâmil é majoritária, frente à cingalesa, que domina no resto do Estado. No dia 16 de janeiro, a guerra no Sri Lanka recomeçou após a ruptura do acordo de cessar-fogo que o governo e a guerrilha tinham assinado em 2002. O pacto tinha sido violado sistematicamente por ambas as partes desde a suspensão das negociações de paz em outubro de 2006, à qual seguiu uma ofensiva do Exército que encurralou a guerrilha no norte do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Sri Lanka

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.