Confrontos no Sri Lanka matam pelo menos 30 rebeldes

No norte, tropas cingalesas mataram dez membros do grupo, diz ministério

Efe

06 de janeiro de 2008 | 06h55

Pelo menos 30 rebeldes dos Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE) morreram nas últimas horas em confrontos com o Exército do Sri Lanka em vários pontos do norte da ilha, entre eles um líder da inteligência militar tâmil, afirmou neste domingo o Ministério de Defesa cingalês. Na região de Adampan (norte), situada no distrito de Mannar, as tropas cingalesas destruíram dois bunkers da guerrilha e mataram dez membros do grupo, segundo um comunicado do ministério. Outros dez rebeldes morreram e seis de seus bunkers foram destruídos pelo Exército na área de Parappakandal, também no distrito de Mannar, segundo a nota. As Forças Armadas do Sri Lanka recuperaram rifles de assalto e cerca de 200 minas ao revistar os refúgios dos LTTE. O Exército tinha anunciado a tomada de Adampan e Parappakandal no final de dezembro, mas os confrontos prosseguem. Um líder da inteligência militar tâmil, apelidado de "Charles", morreu nos combates, segundo o Ministério da Defesa. Outros dez rebeldes morreram no sábado e três ficaram feridos em vários pontos do distrito nortista de Vavuniya, em choques entre o Exército e a guerrilha tâmil. Incentivados por uma ofensiva bem-sucedida no leste do país, o Governo quebrou no dia 2 de janeiro o acordo de cessar-fogo, uma decisão que gerou uma onda de críticas internacionais. O cessar-fogo era na verdade não estava sendo cumprido, pois os confrontos no norte do país, onde se concentra o grosso das forças dos LTTE, são constantes. A guerrilha luta desde os anos 80 por um Estado independente no norte e no leste do Sri Lanka, onde a etnia tâmil é majoritária, frente à cingalesa, que domina no resto do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Sri Lankarebeldesmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.