Confrontos persistem na capital do Sudão do Sul

Trocas de tiros esporádicas persistiam hoje em Juba, capital do Sudão do Sul, um dia depois de o governo ter declarado que repeliu uma tentativa de golpe de Estado na mais jovem nação do mundo.

AE, Agência Estado

17 de dezembro de 2013 | 14h40

O ministro das Relações Exteriores do Sudão do Sul, Barnaba Marial Benjamin, disse à Associated Press que os tiroteios envolviam soldados e remanescentes de uma facção militar acusada de amotinamento.

O chanceler sul-sudanês confirmou a detenção de cinco líderes políticos suspeitos de envolvimento na tentativa de golpe e disse que outros estão sendo procurados, entre eles o ex-vice-presidente Riek Machar.

Na véspera, o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, atribuiu a tentativa de golpe a soldados leais a Machar, considerado um dos heróis da guerra que levou à independência do país em 2011.

Benjamin disse ainda que a Embaixada dos Estados Unidos em Juba e a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul negaram que o ex-vice-presidente estivesse em suas dependências. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Sudão do Sulgolpetentativa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.