Congo faz primeira eleição multipartidária em 47 anos

Cerca de 25 milhões de congoleses foram às urnas neste domingo, na primeira eleição presidencial multipartidária desde que o Congo tornou-se independente da Bélgica. Além do presidente, os congoleses estão elegendo o novo Congresso do país, que vai substituir um governo de união nacional formado ao fim da guerra civil de 1998/2002."Alguns dizem que a África tem a forma de uma pistola e que o Congo é o gatilho. Se o Congo pode dar certo, então toda a África pode", disse o eleitor Jean Jaseke, de 38 anos, na fila de um posto de votação em Kinshasa.O atual presidente, Joseph Kabila, de 35 anos é considerado um dos favoritos entre os 33 candidatos à Presidência. Ele herdou o poder com a morte de seu pai, Laurent Kabila, que havia derrubado o ditador Mobuto Sese Seko em 1998. A guerra civil que se seguiu acabou envolvendo a participação de cinco países vizinhos; organizações humanitárias internacional estimam que 4 milhões de pessoas morreram no conflito. O atual governo de transição também inclui outro dos favoritos à Presidência, o ex-líder rebelde Jean-Pierre Bemba.Cerca de 2 mil monitores internacionais acompanharam a votação. As principais cidades do Congo foram patrulhadas pelos cerca de 17.6 mil integrantes das forças de paz da ONU. Segundo o porta-voz das forças da ONU, Jean-Tobias Okala, 11 postos de votação foram queimados no distrito de Tshisekedi por manifestantes contrários à realização da eleição, mas não houve incidentes com vítimas.Caso nenhum dos candidatos à Presidência obtenha maioria na votação deste domingo, haverá um segundo turno entre os dois mais votados, provavelmente em setembro. Devido às deficiências na infra-estrutura do país, o resultado da votação deste domingo só será conhecido dentro de algumas semanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.