Congressistas dos EUA continuam divididos sobre o Iraque

Apesar da previsão do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, de que haveria uma unidade em relação ao Iraque, membros do Congresso expressaram visões profundamente divergentes neste domingo sobre uma ação militar para afastar o presidente Saddam Hussein do poder. Dois congressistas democratas, falando de Bagdá, disseram que autoridades iraquianas garantiram a eles que permitirão acesso ilimitado aos inspetores de armas.Os congressistas acusaram Bush de, erroneamente, empurrar os EUA para a guerra. "Eles dizem que nos permitirão ir onde quer que queiramos", afirmou o deputado democrata Jim McDemott, à tevê ABC. "Deixem os inspetores fazerem seu trabalho", acrescentou o deputado David Bonior, outro democrata. Segundo ele, autoridades iraquianas prometeram permitir acesso "irrestrito", apesar de quererem que "sua soberania seja respeitada".Os comentários dos democratas foram criticados pelo segundo homem dos republicanos no Senado, Don Nickles. "Os dois soam como porta-vozes do governo iraquiano", afirmou. Nickles disse que Bush tenta apenas executar as resoluções da ONU que o Iraque tem desrespeitado. Para ele, o Iraque continua a desenvolver armas de destruição em massa. "E existem novas ameaças terroristas que descobrimos da forma mais dura que são mortais para as Nações Unidas e para nossos interesses", acrescentou, invocando os ataques de 11 de setembro, apesar de ele não ter explicado como o Iraque estaria vinculado à rede Al-Qaeda, envolvida nos atentados nos EUA. Para o líder da minoria no Senado, o republicano Trent Lott, "a ameaça do Iraque é parte da guerra geral contra o terror".Com visões tão divergentes, Bush tem de apresentar provas para uma ação militar, disse o senador democrata John Breaux. "Não queremos entrar numa situação como o Vietnã, por exemplo quando tínhamos uma casa dividida, o Congresso estava dividido, o povo americano estava dividido", lembrou. "Qualquer coisa que o presidente possa fazer para se reunir com líderes do Congresso, falar numa sessão conjunta do Congresso, trazer unanimidade, penso que seria muito importante e muito positivo".Depois de uma semana de atritos políticos por causa do Iraque, Bush previu que o Congresso aprovará em breve uma resolução dando a ele autoridade para lançar uma ação militar contra o Iraque. "Estamos fazendo progresso, estamos nos aproximando de um acordo, e em breve falaremos com uma só voz", disse o presidente. Enquanto alguns democratas se opõe a uma ação militar, outros apóiam a Casa Branca, e poucos duvidam que a resolução será mesmo aprovada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.