J Scott Applewhite/AP
J Scott Applewhite/AP

Congresso americano quer evitar nova paralisação do governo em rara medida bipartidária

Se o presidente não aprovar a legislação proposta por senadores e deputados, cerca de um quarto do governo poderá entrar em fechamento a partir da sexta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2019 | 12h50

WASHINGTON - O Congresso dos Estados Unidos deve resolver o conflito com o presidente Donald Trump sobre o financiamento do muro no México com uma rara medida bipartidária a ser aprovada até o final desta quinta-feira, 14, evitando uma nova paralisação do governo que pode ocorrer a partir de sexta.

Na noite de quarta-feira, negociadores deram os últimos retoques na legislação para financiar o Departamento de Segurança Interna (DHS) até 30 de setembro, o encerramento do ano fiscal, e de várias agências federais. Se o impasse não for resolvido, acabam os fundos operacionais das agências que empregam cerca de 800 mil funcionários do DHS e dos departamentos de Agricultura, Comércio e Justiça, entre outros,

A vitória é virtualmente certa no Senado, com maioria republicana (partido de Trump), e na Câmara, liderada pelos democratas, mas a sanção do presidente não é garantida, embora seja esperada. O texto ignora o pedido de US$ 5,7 bilhões feito pelo presidente Donald Trump para ajudar a erguer um muro na fronteira com o México.

Segundo assessores parlamentares, a versão final do projeto de lei daria ao governo US$ 1,3 bilhão em dinheiro novo para ajudar a construir 88,5 quilômetros de novas barreiras físicas na fronteira sul, muito menos do que Trump vinha exigindo. É o mesmo nível de financiamento que o Congresso destinou para medidas de segurança de fronteira em 2018, incluindo barreiras, mas não muros de concreto.

“Este acordo nega financiamento para o muro de fronteira do presidente Trump e inclui várias medidas cruciais para tornar nosso sistema imigratório mais benevolente”, disse a presidente democrata do Comitê de Verbas da Câmara, Nita Lowey, em um comunicado.

Se a legislação for aprovada nesta quinta, haveria tempo para Trump analisar a medida e sancioná-la antes do vencimento do financiamento temporário de cerca de um quarto do governo. Do contrário, seriam forçadamente interrompidos muitos programas governamentais, da manutenção de parques nacionais a programas de treinamento de controladores de tráfego aéreo e à coleta e publicação de dados importantes para os mercados financeiros, pela segunda vez neste ano.

Desde sua campanha de 2016, Trump vem exigindo bilhões de dólares para erguer um muro na fronteira sul, dizendo que condições de “crise” pedem uma reação rápida para interromper o fluxo de drogas ilegais e de imigrantes sem documentos, a maioria da América Central. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.