Congresso chinês termina com mudança do poder no país

O XVI Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC) foi encerrado na madrugada desta quinta-feira (horário de Brasília), em Pequim, com a formação de um novo Comitê Central e uma nova Comissão para a Inspeção Disciplinar. O Comitê Central, com 356 membros, vai eleger nesta sexta-feira o novo presidente da China, o secretário-geral do PCC e os responsáveis pelo Parlamento e pelo Exército. Serão designados também os novos membros do Comitê Permanente do PCC, integrado pelos sete homens mais poderosos do país. Deixarão também os cargos o primeiro-ministro Zhu Rongji e o presidente da Assembléia Nacional Popular, Li Peng, que serão substituídos por políticos mais jovens.O presidente da China, Jiang Zemin, não faz parte do novo Comitê Central eleito hoje. Zemin, de 76 anos, deixará os cargos de Chefe de Estado e de Secretário-Geral do PCC, mas, segundo fontes ligadas ao Congresso, conservará o posto de presidente da Comissão Militar Central. O próximo chefe de Estado da China deverá ser o atual vice-presidente, Hu Jintao, de 59 anos, homem de confiança de Zemin, que assumirá também a direção do Partido Comunista. No entanto, o atual presidente, que governou por 13 anos, passará para a história como o homem que introduziu o capitalismo no comunismo e fez a China registrar os crescimentos econômicos mais altos do mundo, cerca de 8%, devido à sua política de reformas e abertura ao exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.