Congresso do PC chinês confirma ascensão de Hu Jintao

Diante de intensas mudanças, os comunistas da China entram hoje numa nova era, aposentando o presidente Jiang Zemin, elegendo uma nova geração de líderes e mudando sua missão, a fim de receber a emergente classe capitalista. Hu Jintao, o homem que deve substituir Jiang na tarefa monumental de administrar a China, tornou-se o único dos líderes políticos a ser reeleito para o Comitê Central do partido. Foi o sinal mais evidente, até agora, de sua ascensão ao topo da maior nação da Ásia, e da que mais cresce no continente.O vice-presidente de 59 anos é o franco favorito para substituir amanhã Jiang na chefia do partido - e como presidente em março -, no que seria a primeira transferência verdadeiramente ordeira de autoridade desde que os comunistas assumiram o poder na China, em 1949.Hoje, entretanto, a mensagem do partido de Mao Tsé-tung não é revolução, mas prosperidade - e se manter relevante aos olhos de cidadãos cada vez mais sofisticados."Toda vez que temos um congresso nacional, produzimos um grande novo grupo de líderes. Isso mostra que o Partido Comunista da China (PCC) ainda mantém um enorme potencial", disse Wang Xiaofeng, um delegado e governador de Hainan, uma ilha-província na costa sul.As mudanças foram anunciadas ao fim do Congresso Nacional do Partido, um destacado encontro realizado a cada cinco anos no majestoso Grande Salão do Povo no coração de Pequim, na famosa Praça da Paz Celestial.Jiang, 76 anos, encerrando o encontro de uma semana e efetivamente dando início a quatro meses de despedidas, proclamou que foi realizado "um congresso da unidade, um congresso da vitória e um congresso do progresso"."Tudo isso", continuou, "irá encorajar imensamente todo o partido e os chineses de todos os grupos étnicos a manter o compasso com os tempos, iluminar novos caminhos num espírito pioneiro e continuar com confiança a impulsionar a grande causa do socialismo com características chinesas".A tevê estatal da China mostrou delegados colocando em urnas seus votos para os integrantes do Comitê Central do partido, que devem eleger o secretário-geral, o Politburo e seu Comitê Executivo - o círculo íntimo de poder do partido - nesta sexta-feira.O partido optou pela renovação e pela energia. Dos 356 membros do novo Comitê Central, 180 são novatos e mais de um quinto tem menos de 50 anos, segundo a Agência Nova China.Estima-se que Jiang conseguirá colocar seus protegidos no novo órgão governante do partido e em outros altos postos, a fim de manter sua influência.A nova geração receberá um país que tem registrado um nível de crescimento estonteante em duas décadas de reformas, mas enfrenta crescentes tensões. Milhões perderam seus empregos em indústrias estatais e cresce a revolta com a persistente pobreza rural, enquanto florescem as cidades do leste.Hu e seus contemporâneos vão dirigir a China num período de desafiantes mudanças econômicas, incentivadas pela adição da doutrina dos "Três Representantes", de Jiang, na constituição do partido.A doutrina visaria a demonstrar a preocupação do partido com todos os setores da sociedade, mas é também um manto para a idéia, antes impensável, de permitir que capitalistas entrem num partido cuja própria formação foi baseada na luta de classes.Ela tem o benefício adicional de cooptar o crescente setor de líderes empresariais para as fileiras do partido.A resolução, distribuída depois da cerimônia de encerramento, considerou a implementação da teoria como "a base para construir nosso partido, a pedra fundamental para sua governança e a fonte de sua força". Num aceno para o desejo do partido de se apresentar como progressista, ela também afirma que a teoria ajudará a China a "manter o compasso com os tempos"."Ela fará muito para o avanço da nova grande tarefa de construção do partido", declarou Jiang.Apesar de Jiang permanecer como presidente até março, o partido é a fonte de seu poder. Jiang é secretário-geral do Partido Comunista desde que substituiu Zhao Ziyang em 1989, num expurgo depois dos protestos da Praça da Paz Celestial.Segundo a Nova China, Jiang não estava na lista dos reeleitos, indicando que, como era esperado, ele se afastará de um papel formal no partido."Jiang Zemin, o núcleo da terceira geração de líderes do Partido Comunista da China, e cinco de seus colegas no principal órgão de decisão do partido não estarão no novo Comitê Central eleito nesta manhã", anunciou a Nova China.Hu foi especificamente identificado como "o único membro" do último Comitê Executivo a ser reeleito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.