EFE/Shawn Thew
EFE/Shawn Thew

Congresso dos EUA fecha acordo para evitar paralisia do governo

Republicanos e democratas foram obrigados a abrir mão de algumas de suas prioridades; documento ainda deverá ser votado na Câmara e no Senado

O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 00h12

WASHINGTON - Os líderes democratas e republicanos do Congresso dos Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira um acordo para financiar o estado federal até o fim do ano orçamentário de 2018, evitando assim a paralisação do governo.

Os negociadores republicanos publicaram na noite desta quarta-feira, dois dias antes do chamado "shutdown", um longo texto obtido após semanas de duras negociações.

O acordo prevê elevar o gasto militar a US$ 700 bilhões, e o restante dos gastos correntes a US$ 591 bilhões, para o ano fiscal que termina em 30 de setembro.

O Pentágono tem assim seu maior aumento no orçamento em 15 anos, uma vitória dos republicanos destacada pelo presidente da Câmara, Paul Ryan.

O Congresso dispõe agora de dois dias, até a meia-noite de sexta-feira, para adotar o texto e evitar a paralisação da administração pública. A Câmara votará antes do Senado.

Republicanos e democratas foram obrigados a abrir mão de algumas de suas prioridades.

O compromisso alcançado finalmente inclui apenas US$ 641 milhões para a construção de 50 km de barreiras na fronteira com o México, destacaram os democratas, que avaliam ter barrado o plano do presidente Donald Trump de construir o muro.

O acordo estipula que as novas barreiras na fronteira devem ser similares às já construídas, o que exclui o muro de cimento planejado por Trump.

Mas o texto também não prevê qualquer medida de regularização para os jovens imigrantes em situação ilegal nos Estados Unidos, como defendiam os democratas.

Um artigo que reformula o sistema de verificação dos antecedentes criminais e psiquiátricos dos compradores de armas foi incluído e eliminada a proibição de investigações federais sobre incidentes violentos com armas de fogo, outra velha reivindicação dos democratas.

Centenas de milhões de dólares suplementares foram desbloqueados para o FBI combater os  ciberataques russos e para que os Estados se defendam melhor dos hackers.

Os ultraconservadores da Câmara anunciaram que não aprovarão o texto acertado, do mesmo modo que alguns democratas, por razões diversas.

"Estamos aprofundando a quebra do país", protestou o deputado republicano do Tea Party Justin Amash em entrevista à Fox News.

"Sou contra porque rejeito as expulsões contínuas de imigrantes e de suas famílias, que mantêm cidades como a minha, Chicago", declarou o democrata Luis Gutiérrez. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.