Congresso faz sessão simbólica em Nova York

Em uma demonstração de solidariedade a Nova York, o Congresso americano realizou nesta sexta-feira uma sessão simbólica na cidade pela primeira vez desde 1790, quando ela era capital dos EUA, e George Washington era presidente.Durante a sessão, de uma hora, os legisladores prestaram tributo às mais de 2.800 pessoas que morreram nos atentados de 11 de setembro. O vice-presidente americano, Dick Cheney, disse que estava honrado de estar "onde se reuniu o primeiro Congresso, onde jurou o primeiro presidente e onde nasceu a Declaração dos Direitos".Cerca de 250 membros da Câmara de Representantes e 64 senadores viajaram de trem de Washington a Nova York e se dirigiram ao Federal Hall, no sul de Manhattan, a quatro quadras de onde ficavam as torres do World Trade Center. No Federal Hall, o Congresso se reuniu pela primeira vez, e George Washington prestou juramento como primeiro presidente dos EUA, em 1789.O Departamento do Tesouro americano acrescentou o nome de um homem de origem saudita, supostamente associado a Osama bin Laden, à sua lista de "financiadores do terror", com mais de 230 pessoas e organizações suspeitas de dar apoio financeiro a atividades terroristas.Os EUA e a Arábia Saudita estão tentando bloquear os bens de Wa´el Hamza Julaidan, que, segundo o Departamento do Tesouro, lutou com Bin Laden nos anos 80 e está ligado a várias pessoas e entidades vinculadas à rede Al-Qaeda.Entre essas pessoas estão os lugares-tenentes de Bin Laden, Ayman al-Zawahiri, Abu Zubeida e Mohammed Atef, que já estavam na lista negra dos EUA. Ainda segundo o Departamento do Tesouro, Julaidan, de 44 anos, atuou como diretor-geral da Rabita Trust, uma organização nos EUA que teria fornecido apoio logístico e financeiro à Al-Qaeda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.