Congresso mexicano entra em sessão permanente

A Câmara dos Deputados do México entrou na noite de terça-feira em sessão permanente, enquanto parlamentares buscam saídas para o conflito entre esquerdistas e conservadores, que tomaram a tribuna após uma troca de socos. A briga começou quando os esquerdistas ameaçaram tomar a tribuna para impedir que a posse como presidente do México do conservador Felipe Calderón, que acusam de fraude nas eleições de 2 de julho. A cerimônia está marcada para Sexta-feira. Os deputados do Partido Ação Nacional (PAN) reagiram rapidamente e impediram, com socos, que os esquerdistas tomassem o palanque. No fim, os dois grupos se instalaram na tribuna. O presidente da Câmara dos Deputados, Jorge Zermeño, do governista PAN, decretou inicialmente um recesso. Horas depois, ele se reuniu com os líderes das bancadas. Zermeño comunicou à imprensa que ainda não se chegou a nenhuma solução para o impasse. O presidente da Câmara anunciou a sessão permanente para obter um diálogo parlamentar, na busca de uma solução. A sede da Câmara está sendo protegido do lado de fora por policiais e militares do Estado-Maior Presidencial. O deputado Juan Hugo de la Rosa, do PRD, disse que a bancada esquerdista está disposta a permanecer no local pelo tempo que for necessário para "impedir a posse de Felipe Calderón". Ele reconheceu que a ação não foi adequada. "Mas fomos obrigados, porque a democracia foi pisoteada", argumentou. O esquerdista disse que oito horas após o início do conflito nem o PAN nem o PRD estão dispostos a deixar a tribuna. Outro deputado esquerdista, Raúl Ríos, confirmou a posição. "O único acordo que temos com o PAN é que eles vão ficar na tribuna até o dia 1º de dezembro e nós também", disse, em tom irônico. O ato de posse está programado para sexta-feira. Até agora confirmaram presença 14 chefes de Estado e governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.