Congresso peruano aprova terceira acusação contra Fujimori

O Congresso peruano acusou por unanimidade o ex-presidente Alberto Fujimori de supostos delitos de peculato, falsidade e associação ilícita para cometer atos delinqüentes devido a um pagamento irregular de US$ 15 milhões a seu ex- assessor de inteligência Vladimiro Montesinos. Na noite de terça-feira, foram também acusados constitucionalmente no Congresso dois ex-ministros de Fujimori: Carlos BoloÏa, da Economia, e Carlos Bergamino, da Defesa, como co-autores desses delitos. O ex-chefe do gabinete presidencial Federico Salas foi acusado como cúmplice do delito de peculato e como co-autor de associação ilícita e falsidade ideológica. Ao mesmo tempo, a Procuradora na Nação, Nelly Calderón, denunciou constitucionalmente Fujimori por suposto enriquecimento ilícito, associação ilícita para delinqüência e peculato em agravo do Estado, após detectar um desequilíbrio patrimonial de US$ 372 milhões entre sua renda e suas despesas. Dez ex-ministros de Fujimori também estão envolvidos nesta acusação por terem supostamente permitido suas "atividades ilícitas".

Agencia Estado,

31 Outubro 2001 | 14h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.