Congresso quer saber se De la Rúa pode governar

O médico pessoal do presidente Fernando De la Rúa, Cristian Lopéz Aubidet, desautorizou o ministro de Saúde, Héctor Lombardo , a informar sobre a saúde do chefe de Estado. O ministro disse que o presidente sofre de arteriosclerose, o que gerou comoção dentro e fora do governo, além de problemas para o presidente De la Rúa.O Congresso enviou à Casa Rosada um pedido oficial de esclarecimento sobre o estado de saúde do presidente para saber se ele está "apto a governar", segundo o documento."O único responsável pela saúde do presidente sou eu, e a versão oficial sobre sua saúde compete à mim", afirmou, contundente, o médico Cristian Lopéz. Ele não foi o único a dar um puxão de orelhas no ministro. O cirurgião Jorge Belardi, que fez a angioplastia em De la Rúa, também criticou e discordou do diagnóstico de Héctor Lombardo.Belardi afirmou que o presidente sofre de "uma enfermidade obstrutiva coronária que não tem nada a ver com arteriosclerose, uma doença crônica que entorpece a circulação arterial".O irmão do presidente, Jorge De la Rúa, ministro de Justiça, qualificou como "uma infeliz expressão" a afirmação de Héctor Lombardo. O médico Cristian López esclareceu que a doença do presidente "é decorrente de antecedentes de colesterol alto e do estresse em que vive". López garantiu que em nenhum momento Fernando De la Rúa se sentiu mal e que os exames realizados já estavam programados.A grande polêmica, reação e preocupação gerados pela declaração do ministro de saúde se deve ao fato de que a palavra arteriosclerose foi interpretada como um problema cerebral que o tornaria incapaz para as atividades de presidente. De la Rúa, por sua vez, deu uma entrevista para dizer que se sentia "fantástico e perfeitamente bem".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.