Congresso venezuelano aprova referendo de reeleição

A Assembléia Nacional da Venezuela aprovou ontem, em primeira discussão, a proposta de referendo sobre uma emenda constitucional que permitiria a reeleição ilimitada do presidente Hugo Chávez. O projeto será submetido a novo debate em janeiro. Eleito pela primeira vez há dez anos, Chávez buscou no ano passado abolir o limite de tempo que pode ficar no cargo. Porém os eleitores rechaçaram em referendo um pacote de mudanças constitucionais."É necessária a liderança do presidente Chávez por muito tempo, até que a oposição tenha quem os represente, quem os unifique, que representem um projeto, e a revolução esteja consolidada", afirmou a deputada Cilia Flores, da situação. O Legislativo venezuelano é dominado pelos chavistas. Horas antes, milhares de pessoas se concentraram perto do Congresso e entregaram listas de assinaturas favoráveis ao projeto. O prefeito de Caracas, Jorge Rodríguez, disse que o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), de Chávez, coletou 4,7 milhões de assinaturas, em uma iniciativa sobretudo simbólica.Chávez já anunciou que pretende realizar o referendo em fevereiro. O cenário se complica com a crise financeira mundial, que ameaça afetar bastante a Venezuela, país dependente do petróleo - 50% da renda governamental com exportações. A cotação do produto caiu bastante nos últimos meses. Além disso, a oposição saiu fortalecida das eleições regionais em novembro, após ganhar Estados importantes. O congressista dissidente Ismael García considerou a proposta de referendo "ilegítima", pois a iniciativa já foi rechaçada em 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.