AP Photo/Petros Giannakouris
AP Photo/Petros Giannakouris

Conheça a província do Afeganistão onde o Taleban deixa meninas estudarem

Província de Herat torna-se exceção no país depois de mobilização da comunidade escolar

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2021 | 20h00

HERAT, AFEGANISTÃO - Meninas do ensino médio estão em casa em quase todos os lugares do Afeganistão, proibidas de assistir às aulas pelo Taleban. Mas há uma grande exceção.Durante semanas, as meninas da Província de Herat, no oeste do país, voltaram às salas de aula do ensino médio – fruto de um esforço único e coordenado de professores e pais para persuadir os administradores locais do Taleban a permitir a reabertura.

Fadieh Ismailzadeh, uma jovem de 14 anos, disse que chorou de felicidade com a notícia. “Havíamos perdido as esperanças de que as escolas fossem reabertas.”

Funcionários do Taleban nunca aprovaram formalmente a retomada das aulas após a campanha, mas também não a impediram quando professores e pais começaram as aulas por conta própria no início de outubro.

“Pais, alunos e professores se uniram para fazer isso”, disse Mohammed Saber Meshaal, chefe do sindicato de professores de Herat que ajudou a organizar a campanha. “Este é o único lugar onde ativistas comunitários e professores correram o risco de conversar com o Taleban.”

O sucesso em Herat destaca uma diferença significativa no atual governo do Taleban em relação ao anterior, no final da década de 1990. Naquela época, os militantes eram intransigentes em sua ideologia linha-dura, banindo as mulheres da vida pública e do trabalho e proibindo todas as meninas de estudar. Eles usaram força e punições brutais para fazer cumprir as regras.

Desta vez, eles parecem reconhecer que não podem ser tão cruéis em um Afeganistão que mudou drasticamente nos últimos 20 anos. Eles impuseram algumas regras antigas, mas foram ambíguos sobre o que é permitido e o que não é. A ambiguidade pode ter como objetivo evitar a alienação do público enquanto o Taleban luta contra um colapso econômico quase total, uma paralisação do financiamento internacional, um aumento alarmante da fome e uma insurgência perigosa de militantes do Estado Islâmico. Isso deixou pequenas margens onde os afegãos podem tentar recuar.

Pressão internacional

Quando o Taleban tomou o poder em agosto, a maioria das escolas foi fechada por causa da covid-19. Sob forte pressão internacional, o Taleban logo reabriu escolas para meninas da 1.ª à 6.ª série, assim como para meninos em todos os níveis. Mas eles não permitiram que as meninas do ensino médio voltassem, dizendo que primeiro devem garantir que as aulas sejam ministradas de “maneira islâmica”. Quando os professores e pais de Herat pediram a reabertura, os funcionários do Taleban hesitaram, alegando que precisavam de uma autorização do governo em Cabul.

Em outubro, os professores sentiram que tinham o acordo tácito do Taleban de não atrapalhar. Os professores começaram a espalhar a notícia em páginas do Facebook e aplicativos de mensagens que as escolas de ensino médio para meninas reabririam em 3 de outubro. Os pais criaram uma rede telefônica para passar a notícia, e os alunos contaram aos colegas.

Mastoura, que tem duas filhas estudando na cidade de Tajrobawai na primeira e na oitava séries, telefonou para outros pais, pedindo-lhes que trouxessem suas filhas para a escola. Alguns temem que o Taleban assedie as meninas ou os militantes do Estado Islâmico possam lançar um ataque, por isso Mastoura e outras mulheres ainda acompanham suas filhas à escola diariamente.

“Tínhamos preocupações e ainda as temos”, disse Mastoura, que, como muitos afegãos, usa apenas um nome. “Mas minhas filhas precisam estudar. Sem educação, sua vida sofrerá um retrocesso.”

Evolução gradual

Nem todos os alunos apareceram quando as escolas abriram em Tajrobawai. Mas, à medida que os pais ficavam mais confiantes, as salas de aula foram preenchidas depois de alguns dias.

Shehabeddin Saqeb, diretor de educação do Taleban na Província de Herat, insiste que o grupo não tem problemas com o fato de as meninas irem à escola. “As escolas estão abertas sem nenhum problema. Nunca emitimos qualquer ordem oficial dizendo que meninas em idade escolar não deveriam ir à escola.”

Meshaal destaca que houve mudanças no Taleban e algumas facções são mais abertas. “Eles entendem que as pessoas vão resistir na questão da educação.”/ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.