EFE/Haim Zach
EFE/Haim Zach

Conheça Chechia e Amalia, as gêmeas que sobreviveram a Auschwitz brincando de ‘esconde-esconde’

Irmãs conseguiram escapar das experiências que o médico Josef Mengele fazia no campo de extermínio; filha de Chechia Reichman teme que a história de sua mãe se repita e diz que, na época, houve Hitler, ‘mas atualmente há outros que não são menos maus que ele’

O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2018 | 18h50

EVEN YEHUDA, ISRAEL - Chechia e sua irmã gêmea Amalia sobreviveram ao campo de extermínio nazista de Auschwitz e às experiências que o médico Josef Mengele fazia no local com gêmeos graças a um jogo de "esconde-esconde", e não se deixaram ver juntas nem por um minuto.

+ Neta de sobreviventes do Holocausto rouba peças de Auschwitz 

"Sonhava em ser um pássaro, voar dali e trazer no meu bico pedaços de pão para a minha gêmea e a minha irmã mais velha, mas não havia pão em Auschwitz", relata Chechia Reichman, que passou a se chamar Tzvia Cohen desde que foi viver em Israel, em um vídeo gravado recentemente.

+ Alemanha rejeita indulto solicitado pelo ‘contador de Auschwitz’

Sua filha, Ofira Azrieli, revelou à agência de notícias EFE a história da mãe e a sua própria, e mostrou uma foto das gêmeas quando ainda viviam na cidade polonesa de Pabianice.

"De repente, explodiu a guerra e nos levaram a guetos onde o mais terrível eram as separações", relembra Chechia. Ela conta que tanto no gueto da sua cidade natal como no de Lodz, para onde foram levadas mais tarde, "toda amanhã vinham os alemães, chamavam e quem descia à rua já não voltava com sua família".

"Assim aconteceu com meu avô", relata Ofira na sala de sua casa, em Even Yehuda, 30 quilômetros ao norte de Tel Aviv, ao lembrar que aqueles judeus poloneses faziam o que lhes ordenavam. "Um dia de 1944 disseram que deviam ir à estação de trem e levar uma mala pequena porque iam a um campo de trabalho. Mas quando entraram no trem se deram conta de que não iam trabalhar."

Ofira indica que "havia centenas de pessoas nos vagões, de pé, apertadas. Viajaram três dias e três noites, sem comida nem bebida, sem ar, sem banho e, quando o trem finalmente chegou a Auschwitz, um terço delas já tinha morrido".

Quando a porta do trem se abriu, "minha avó, Sara, escutou um dos oficiais nazistas gritar aos outros 'Zwillings'", que quer dizer "gêmeos" em alemão, e se deu conta do perigo. Ela então separou as irmãs e ordenou que nunca ficassem juntas naquele lugar horrível, lembra Ofira.

A avó de Ofira não sabia de Mengele nem dos seus horríveis experimentos. "Após três dias, a levaram às câmaras de gás, mas, graças às suas instruções, as meninas ficaram separadas e por isso Mengele não as capturou, embora procurasse obsessivamente por gêmeos, especialmente idênticos. Minha mãe e sua irmã gêmea 'brincaram de esconde-esconde' com Mengele em Auschwitz. E ganharam”, conta Ofira.

"Não tive infância, mas me alegra ter sobrevivido e ter tido uma vida meio normal", declara Chechia, entre risos.

Sobreviventes

"Viver com dois pais que passaram fome durante seis anos é raro, porque meu pai também é sobrevivente. A minha casa parecia um supermercado. Compravam quilos de comida, todos os armários estavam cheios, a geladeira, o congelador... E eu também tenho essa obsessão por acumular alimentos", confessa Ofira.

Como muitos outros sobreviventes do nazismo, seus pais também guardaram silêncio sobre o seu passado, e Ofira e seu irmão tiveram de "montar um quebra-cabeça", até que na última década Chechia começou a relatar detalhes daquela vida.

"Quando os nazistas já não tinham o que fazer conosco, nos levaram a pé, uns 15 quilômetros a cada dia, na neve, pelas florestas, e durante o caminho muitos caíram", aponta Chechia, ao lembrar as Marchas da Morte, nas quais os nazistas, acossados pelos aliados e os soviéticos, tentaram ocultar os campos de concentração e suas atrocidades, e levar os prisioneiros ao interior do país.

"Não tínhamos forças nem para ficar em pé e à noite, quando nos colocavam para dormir em algum povoado, com os animais, comíamos as batatas das vacas, e acordávamos pela manhã com forças renovadas. Havia neve no caminho, comíamos a neve, estava muito boa", conta ela.

Ofira lamenta que "quando era menina, ficava ansiosa para ir ao acampamento de verão na floresta, mas meus pais não me deixavam ir porque, para eles, a palavra ‘floresta’ era morte. Eu era a única menina do colégio que nunca tinha ido a um acampamento na floresta".

Neste sábado, 27, no Dia Internacional da Lembrança do Holocausto, no qual são lembrados os cerca de seis milhões de judeus, 200 mil ciganos, 250 mil deficientes mentais e 9 mil homossexuais exterminados pelos nazistas durante a 2.ª Guerra (1939-1945), Ofira relata o que aconteceu à sua mãe porque teme que a história se repita. "Nós judeus tivemos Hitler, mas atualmente há outros que não são menos maus que ele", alerta. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.