Jonathan Erns/REUTERS
Jonathan Erns/REUTERS

Conheça os Bidens, a nova 'primeira família' dos Estados Unidos

Democrata Joe Biden, que assume a presidência no dia 20 de janeiro, é casado e pai de três filhos

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2021 | 04h00

O presidente eleito Joe Biden e sua família se tornarão os novos residentes da Casa Branca quando ele assumir o cargo em 20 de janeiro. 

Biden colocou muitas vezes sua família em foco ao longo de sua carreira, e sua campanha presidencial de 2020 voltou a colocá-la no centro das atenções. Alguns membros causaram polêmica; outros quebraram barreiras. 

Confira a seguir um olhar sobre os integrantes da nova "primeira família" dos Estados Unidos.

A primeira-dama

Jill Biden, de 69 anos, deve transformar seu novo papel antes mesmo de se mudar para a Casa Branca. Enquanto as primeiras-damas tradicionalmente cumprem apenas deveres cerimoniais, a "Dra. B", como seus alunos a chamam, pretende manter seu emprego como professora em tempo integral.

Como primeira-dama, a expectativa é que ela trabalhe em questões de educação e relance o Joining Forces, uma missão para reunir famílias de militares que ela e a antecessora Michelle Obama iniciaram em 2011.

Os Bidens se conheceram em 1975, poucos anos depois que o senador de Delaware enfrentou o impensável - sua jovem esposa e filha morreram em um acidente de carro. Ele costuma dizer que sua segunda esposa o "recompôs".

Eles se casaram em 1977, e ela se tornou a "mãe" de seus filhos Hunter e Beau, que sobreviveram ao acidente. Eles também têm juntos uma filha, Ashley.

Enquanto criava sua família, Jill Biden também obteve dois diplomas de mestrado e, mais tarde, completaria um doutorado em educação.

Jill apoiou o marido em suas três candidaturas presidenciais anteriores e foi uma de suas defensoras e ativistas incansáveis na última.

Os primeiros filhos

Biden sempre falou sobre como seu relacionamento com os filhos o ajudou a lidar com o luto enquanto construía sua carreira política, assim como quando se casou com Jill Biden.

Durante anos, enquanto trabalhava como senador, ele viajava de trem por duas horas na ida e duas na volta entre a casa da família em Delaware e Washington, para estar presente para Hunter e Beau.

Beau era visto como herdeiro do espírito de serviço público e das habilidades políticas de seu pai. Ele serviu nas forças armadas no Iraque e se tornou procurador-geral de Delaware.

No entanto, Beau morreu de câncer no cérebro em 2015, aos 46 anos, menos de dois anos após ser diagnosticado.

Biden se refere a seu filho falecido com frequência em discursos políticos e visita regularmente seu túmulo, bem como os de sua primeira esposa e sua filha.

O outro filho de Biden, Hunter, se manteve mais longe dos holofotes. Ele teve problemas com o álcool e as drogas e foi dispensado da Reserva da Marinha em 2014 após um teste positivo para cocaína.

Se tornou um alvo constante dos ataques de Donald Trump antes da votação de 3 de novembro por seus negócios na Ucrânia e na China.

Hunter, de 50 anos, agora um artista que mora em Los Angeles, admitiu "falta de discernimento" em alguns de seus negócios, mas negou qualquer irregularidade.

Biden, porém, tem sido inabalável em seu apoio ao filho. Durante o último debate presidencial, quando Trump zombou do uso de cocaína por Hunter, o ex-vice-presidente apenas disse: "Estou orgulhoso dele. Estou orgulhoso do meu filho."

Os primeiros animais de estimação

Finalmente, depois que Trump foi o primeiro presidente em mais de um século a não ter um cachorro, os Bidens estão levando vários animais.

Não apenas um, mas dois pastores alemães - Champ e Major - e um gato, cuja raça e nome ainda não foram revelados, se mudarão para a Casa Branca em 20 de janeiro.

Champ está com os Bidens desde 2008. A família adotou Major em 2018. De acordo com a equipe de Biden, Major será o primeiro cão adotado a viver na Casa Branca.

Os companheiros caninos apareceram em um dos anúncios da campanha de Biden que alertava os eleitores para "escolherem seus humanos com sabedoria", destacando clipes de Trump ridicularizando a ideia de um animal de estimação presidencial.

Linha do tempo

 


Os dois cães também estrelaram a mensagem de Natal dos Bidens. O vídeo corta entre tomadas de Champ, relaxando perto de uma árvore de Natal com uma versão instrumental tranquila de We Wish You A Merry Christmas como trilha, e clipes de Major, brincando e correndo pela casa ao som de uma versão de guitarra elétrica da canção. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.