Real Marinha Britânica
Real Marinha Britânica

Conheça outros casos de navios russos suspeitos de espionagem no exterior

Yantar, que foi visto na costa brasileira e despertou o alerta da Marinha brasileira, já esteve na costa de outros países; outras embarcações russas também

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2020 | 17h25

A informação de que a Marinha brasileira detectou e monitorou um navio russo de pesquisa e inteligência suspeito de espionagem dentro da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil não é o primeiro caso de alarde pela presença de uma embarcação russa em águas estrangeiras. O mesmo navio Yantar e outros de origem russa já foram vistos na costa de países como Venezuela e Reino Unido agindo de maneira considerada suspeita pelos governos: 

Trinidad e Tobago e Venezuela

O navio Yantar estava no Caribe em novembro de 2019, nas proximidades de Trinidad e Tobago. Na época, a imprensa local afirmou que a embarcação costuma navegar nas proximidades de equipamentos militares russos que afundaram e de cabos de telecomunicações submarinas. O navio também esteve próximo da costa da Venezuela na mesma época, e chamou a atenção por fazer um trecho da viagem com o farol desligado. 

Navio escoltado no Reino Unido na véspera do ano novo

Na véspera do ano novo, no final de dezembro de 2019, a Marinha Real monitorou uma embarcação russa que atravessava o Canal da Mancha. O navio era o Smolnyy Perekov, construído para a Marinha russa na década de 1970. O navio pode carregar armamentos para autodefesa e patrulha costeira e está estabelecido na frota russa com atuação no Mar Báltico. 

Navio russo na costa dos EUA com luzes baixas

O Viktor Leonov, um navio de vigilância russo, navegou nas proximidades da costa da Carolina do Sul e da Flórida. Autoridades americanas afirmaram que a embarcação tinha luzes baixas em um clima de pouca visibilidade e também não estava respondendo a sinais de navios comerciais para evitar possíveis acidentes. Na época, a rede de TV Fox News afirmou que o navio russo estava operando "de maneira insegura". Meses depois, ele foi para Cuba. 

Desembarque sem anúncio oficial em Cuba 

Em 2015, esse mesmo navio russo desembarcou no Porto de Havana sem ter sido anunciado oficialmente por autoridades de Cuba. Naquela ocasião, autoridades americanas minimizaram a presença do navio russo, afirmando que a situação era comum e não era alarmante. A embarcação tinha uma tripulação próxima de 200 pessoas. 

Noruega

Em outubro de 2015, um navio foi visto na costa da Noruega, nas ilhas de Lofoten, no extremo norte do país europeu. Na ocasião, um oficial das Forças Armadas da Noruega informou que não havia irregularidades e a embarcação seguia os mesmos padrões de outros navios internacionais. "O navio está navegando ao longo da costa conforme com todas as leis e regulamentos", disse o tenente-coronel Ivar Moen à TV NRK.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.