Conhecimento nuclear não exige explosões em testes

Não faz mais sentido os EUA não ratificarem o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares

DAVID E. , HOFFMAN, FOREIGN POLICY, É GANHADOR DO PRÊMIO , PULITZER, CONTRIBUI COM A REVISTA FOREIGN POLICY , DAVID E. , HOFFMAN, FOREIGN POLICY, É GANHADOR DO PRÊMIO , PULITZER, CONTRIBUI COM A REVISTA FOREIGN POLICY , O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2012 | 03h04

Artigo

Em outubro de 1999, há quase doze anos, o Senado americano rejeitou o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares (CNBT, na sigla em inglês). Apenas 48 senadores apoiaram o tratado, que não obteve os 67 votos favoráveis necessários. Todos os 51 senadores republicanos se opuseram a ele. No debate, foram manifestadas sérias dúvidas quanto à capacidade de manter o arsenal nuclear americano em segurança e prontidão na ausência de testes com explosões atômicas.

Na época, seis ex-secretários de Defesa de governos republicanos escreveram uma carta dizendo que, se a proibição aos testes fosse ratificada, "nas décadas futuras, nossa confiança no estado de prontidão do nosso arsenal nuclear sofrerá um declínio inevitável, reduzindo, assim, nosso poder de dissuasão nuclear".

Os seis ex-secretários também disseram que o programa Stockpile Stewardship, de gestão e manutenção do arsenal, iniciado no governo de Bill Clinton e, na época, nos seus primeiros estágios, "não atingirá a maturidade nos próximos dez anos, no mínimo", podendo apenas atenuar, e não eliminar, a perda de confiança nas armas após uma proibição dos testes. Apesar da rejeição do tratado, os EUA seguiram respeitando a proibição aos testes.

Hoje, vemos que muitos dos temores expressados pelo Senado não se materializaram. Essa é a importante mensagem central de um significativo relatório publicado na semana passada pelos nove membros da comissão do Conselho Nacional de Pesquisa.

A comissão, que se concentrou nas questões técnicas do tratado, disse que o programa de gestão e manutenção do arsenal nuclear "obteve resultados melhores do que os esperados em 1999". Eles concluíram que "os EUA são hoje mais capazes de sustentar um arsenal nuclear seguro e efetivo e de monitorar testes clandestinos com explosões nucleares com mais eficácia do que em qualquer momento". Trata-se de um marco importante. Bruce T. Goodwin, diretor-assistente de programas de armamentos do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, também afirma que avançamos. "Temos hoje uma compreensão melhor dos fundamentos do funcionamento de tais armas, algo muito além do que imaginamos quando as estávamos explodindo", disse.

O programa de gestão e manutenção do arsenal inclui elementos como a vigilância das armas, sua desmontagem e checagem periódica. Envolve experimentos não nucleares e programas de extensão da validade das armas existentes. Há também um poderoso programa de supercomputação que simula o funcionamento das armas atômicas, que avançou muito desde os anos 90.

Segundo o relatório da comissão, a capacidade de processamento a serviço dos projetistas de armas "foi ampliada em aproximadamente 100 mil vezes" desde 1996. Publiquei reportagem sobre isso no Washington Post em novembro.

Ao conversar com os cientistas de Livermore, descobri que estão usando alguns dos computadores mais potentes para criar modelos realistas daquilo que ocorre dentro de uma explosão nuclear, quando pressões e temperaturas tremendas afetam metais, como urânio e plutônio, detonando uma explosão atômica.

As simulações proporcionam uma janela virtual para o interior de uma explosão. "Trata-se de um nível de aproximação muito maior do que aquele que seria possível num teste nuclear", disse Goodwin. "Tal processo jamais poderia ser analisado numa explosão de verdade." Tal progresso depende, em parte, do uso de dados concretos obtidos nas explosões e em testes anteriores. Além disso, por mais impressionantes que sejam as simulações computadorizadas, elas precisam ser validadas por experimentos laboratoriais modernos.

Isso custa caro: supercomputadores de última geração, instalações avançadíssimas, infraestrutura de ponta e a necessidade de recrutar e de manter uma força de trabalho altamente qualificada. A comissão disse que é essencial financiar cada um destes elementos. No entanto, esse parece ser um preço relativamente pequeno a se pagar pelo fim das explosões nucleares americanas. De fato, avançamos muito desde 1999. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.