Conselheiro de Khamenei descarta participação iraniana em atentado na Argentina

Um conselheiro próximo ao supremo líder iraniano, aiatolá Ali Khamenei, negou hoje as acusações de que tenha orquestrado o atentado ao centro comunitário judeu em 1994.

Estadão Conteúdo

19 de maio de 2015 | 02h33

Ali Akbar Velayati, que era ministro das Relações Exteriores iraniano na época do ato terrorista, disse em entrevista ao canal argentino C5N que é inocente no caso, assim como seu país.

"Acreditamos que essa é uma acusação sem base, falsa, mentirosa", disse. "A argentina está sobre influência do sionismo e dos Estados Unidos."

Quando perguntado se testemunharia em um tribunal argentino, Velayati, hoje conselheiro de Khamenei, disse que não vê motivo para uma autoridade iraniana responder a outra nação.

Em 2013, Argentina e Irã fizeram um acordo para a criação de uma "comissão da verdade", que iria investigar o incidente. O acordo chegou a ser aprovado pelo Congresso argentino, mas está parado porque dois tribunais o consideraram inconstitucional.

Dias antes de ser encontrado morto, o promotor Alberto Nisman acusou a presidente Cristina Kirchner de ajudar a encobrir oficiais iranianos que teriam tramado o ataque. Recentemente, a Justiça argentina retirou Cristina do caso. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãArgentinaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.