Conselheiro de Segurança de Obama renuncia

O principal conselheiro de segurança nacional do presidente Barack Obama, Tom Donilon, vai renunciar e será substituído por Susan Rice, Embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU). Ela é alvo de críticas de republicanos por causa do caso do ataque que matou quarto norte-americanos em Benghazi, na Líbia, em setembro de 2012.

Agência Estado

05 de junho de 2013 | 11h17

Donilon, de 58 anos, tem sido um importante conselheiro para política externa de Obama, mas havia expectativas de que deixasse o cargo neste ano e Rice já era vista como a provável candidata para sucedê-lo. A escolha de Rice deve irritar os republicanos no Congresso, que acusam o governo de inconsistências e de encobrir os ataques em Benghazi.

Rice, que é próxima de Obama, tem sido alvo de críticas da parte dos republicanos após as investigações sobre o ataque à embaixada norte-americana em Benghazi. Baseando-se em dados de inteligência, Rice disse em entrevistas concedidas à televisão que os ataques teriam provavelmente sido espontâneos, o que se provou incorreto posteriormente.

O novo cargo de Rice não exige aprovação do Senado. Um funcionário da Casa Branca confirmou as mudanças na manhã desta quarta-feira, antes do anúncio do presidente, que deve ser feito durante a tarde. O funcionário falou em condição de anonimato.

Obama também vai nomear Samantha Power, uma especialista em direitos humanos e ex-conselheira da Casa Branca para substituir Rice. Ela ganhou o prêmio Pulitzer de não-ficção por seu livro "A Retórica Americana em Questão" ("A Problem From Hell: America and the Age of Genocide"), que examina a política externa norte-americana em relação ao genocídio no século 20. Power se formou na Universidade de Yale e na escola de Direito de Harvard.

A fonte da Casa Branca disse que Donilon deve permanecer no cargo até o início de julho, depois de Obama concluir suas viagens para a Europa e a África, assim como a reunião no final de semana com o presidente chinês Xi Jinping, na Califórnia. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAObamasegurança nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.