Stephen Crowley/The New York Times
Stephen Crowley/The New York Times

Conselheiro de Trump diz que a imprensa é partido opositor e deve se calar

Bannon foi diretor do site nacionalista extremista Breitbart antes de ser chamado pelo novo presidente para auxiliá-lo na Casa Branca

O Estado de S. Paulo

26 Janeiro 2017 | 19h44

WASHINGTON - A imprensa é “oposição” e deve “calar a boca”, afirmou nesta quinta-feira, 26, o principal estrategista da Casa Branca, Stephen Bannon. Em entrevista ao New York Times, o conselheiro do presidente Donald Trump foi ríspido ao qualificar os jornalistas como “ativistas a favor de Hillary (Clinton, candidata derrotada por Trump)” e ao dizer que a mídia é o “partido opositor”. 

Bannon, que foi diretor do site nacionalista extremista Breitbart antes de ser chamado pelo novo presidente para auxiliá-lo na Casa Branca, elogiou o porta-voz da presidência, Sean Spicer, por ter acusado repórteres de serem “desonestos” durante uma das entrevistas coletivas durante a semana. 

“A imprensa deveria se sentir envergonhada e humilhada, e manter sua boca fechada e apenas ouvir durante um tempo”, afirmou o assessor de Trump. “A mídia elitista errou, errou 100%”, acrescentou, referindo-se à eleição de novembro.

Jornais como o próprio Times afirmaram ao longo do ano passado e mesmo no dia da votação que as chances de vitória de Trump eram escassas. 

“Eles (a imprensa) não entenderam este país. Eles ainda não entendem por que Donald Trump é o presidente dos Estados Unidos”, atacou o conselheiro do presidente. No fim de semana, Trump já havia afirmado que travava “uma guerra” com a imprensa, que chamou de “desonesta”. / NYT

Mais conteúdo sobre:
Donald TrumpStephen Bannon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.