Conselho da ONU continua debate sobre a questão nuclear coreana

O Conselho de Segurança da ONUcontinuará debatendo amanhã uma resolução para impor duras sanções àCoréia do Norte por seu teste nuclear, apesar da pressão dos EUApara que o documento seja adotado antes do fim de semana. As possíveis sanções seriam conseqüência do teste nuclearrealizado na segunda-feira passada pelo regime comunista dePyongyang. Os EUA apresentaram hoje oficialmente uma minuta de resolução coma intenção de realizar a votação amanhã, mas diante das persistentesdiferenças entre os membros do Conselho a decisão poderia serAdiada. O embaixador dos EUA na ONU, John Bolton, assinalou que osmembros do Conselho receberão amanhã um novo texto revisado, queincorpora algumas das emendas propostas pela Rússia e China, e que otexto poderia ser votado no final do dia ou no sábado. Na última versão do documento, se exige da Coréia do Norte queelimine seus programas atômicos e de mísseis balísticos sob controleinternacional e que acate o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). Contempla também uma série de sanções, como a proibição aospaíses de fornecer direta ou indiretamente material bélico enuclear, assim também como impõe um embargo comercial aos artigos deLuxo. Também se pede aos Estados-membros que bloqueiem os equipamentose recursos econômicos destinados a financiar os programas nucleares,e se cobra um controle e inspeção estritos de todas as mercadoriasque entrem e saiam do país. Além disso, exige do Governo norte-coreano que retome imediata eincondicionalmente as conversas de seis lados (China, as duasCoréias, Japão, EUA e Rússia) sobre seu plano nuclear paralisadasdesde novembro passado.A resolução, que será co-defendida pelo Reino Unido, França, Japão e Eslováquia, desperta ainda as reservas da China e da Rússia,que consideram que o Conselho não pode apressar uma votação de umassunto tão delicado. Rússia e China querem esperar os resultados também dos esforços diplomáticos que promovem altos funcionários de Pequim e de Moscou."Acho que o Conselho deveria tentar responder ao teste nuclear namesma semana que ocorreu. Estamos a favor de manter abertos todos oscanais diplomáticos, mas queremos uma ação rápida", declarou Bolton. O embaixador chinês, Wang Guangya, disse não acreditar que odocumento seja votado amanhã, e deu a entender que poderia seradiado até a próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.