Conselho da ONU discute hoje conflito na Ossétia do Sul

O Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) realizará hoje uma reunião de emergência para discutir a escalada do conflito na província separatista georgiana da Ossétia do Sul, informou Peter van Kamseke, porta-voz do embaixador da Bélgica na ONU, Jan Grauls. Segundo o belga, a reunião foi convocada a pedido da Geórgia. A Bélgica ocupa este mês a presidência de turno do CS da ONU.Os debates sobre a situação serão retomados às 15h locais em Nova York (16h em Brasília) em meio a temores de guerra total entre tropas georgianas e soldados russos depois dos incidentes de hoje.Tskinvali, capital da Ossétia do Sul, província separatista identificada com a Rússia, foi cercada por tropas da Geórgia numa operação destinada a ?restaurar a ordem constitucional? na região. Também hoje autoridades da Geórgia informaram que aviões russos atacaram uma base próximo a Tbilisi, capital do país. O ministro das Relações Exteriores da Georgia anunciou que iria buscar ajuda para parar a agressão russa.Pouco antes, Shota Utiashvili, porta-voz do Ministério de Interior georgiano, anunciou o início de um cessar-fogo de três horas de duração para que os civis que vivem em Tskhinvali, capital da Ossétia do Sul, possam deixar a cidade. "O cessar-fogo entrou em vigor", disse Utiashvili.A Rússia confirmou hoje o envio de ''reforços'' militares à Ossétia do Sul. "Nós não permitiremos a morte de nossos compatriotas nem de nossos mantenedores de paz. Enviamos reforços à região para ajudar nossos mantenedores de paz", informou o Ministério da Defesa da Rússia por meio de um comunicado. A notícia vem à tona horas depois de o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, ter advertido à Geórgia que sua ofensiva contra a Ossétia do Sul era passível de retaliação.A Geórgia perdeu o controle de parte de Tskhinvali em meio a um bombardeio russo, admitiu hoje o porta-voz do governo georgiano pouco depois de ter reivindicado total controle sobre a cidade. "Nós perdemos o controle de partes da cidade", acrescentou. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.