Conselho de Segurança amplia mandato de missão civil da ONU no Afeganistão

Resolução respalda plano de reconciliação com insurgentes apresentado por presidente afegão

Efe

22 de março de 2010 | 15h29

NOVA YORK - O Conselho de Segurança da ONU ampliou por um ano o mandato da missão de assistência da organização no Afeganistão (Unama). A missão será responsável pela coordenação da vertente civil da nova estratégia internacional para o país asiático.

 

A resolução, pretendida pela Turquia, recebeu o respaldo unânime dos 15 membros do Conselho de Segurança, em um esforço por demonstrar o amplo apoio internacional às tentativas de reverter a delicada situação de segurança no Afeganistão. O governo afegão enfrenta forte resistência dos insurgentes Taleban, que pedem a retirada das tropas internacionais do país.

VEJA TAMBÉM:
especial Especial: 30 anos de violência

 

No documento, reafirma-se a necessidade de impulsionar a mudança para mãos afegãs das responsabilidades em todas as áreas de governo, promover iniciativas de desenvolvimento para melhorar a vida diária dos civis e estreitar a coordenação com os responsáveis militares da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), vinculada à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

 

Ao mesmo tempo, instrui-se à Unama que esteja disposta a contribuir para o processo de reconciliação nacional apresentado pelo presidente afegão, Hamid Karzai, com o qual quer atrair os setores moderados da insurgência. O documento também ressalta que a missão da ONU continuará liderando os esforços internacionais contra o tráfico de drogas e o combate à corrupção na administração pública afegã.

 

Após a votação, o embaixador da Rússia na ONU, Vitaly Churkin, destacou a importância de os insurgentes participarem do processo de reconciliação. Para isso, porém eles devem renunciar à violência e enfrentar conflitos dentro dos próprios grupos rebeldes, onde há rachas sobre aderir ao plano de reconciliação ou permanecer lutando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.