Conselho de Segurança aprova envio de força de paz à República Centro-Africana

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas autorizou nesta quinta-feira a criação de uma força de manutenção da paz de cerca de 12.000 homens na República Centro-Africana, numa tentativa de acabar com a violência entre cristãos e muçulmanos que ameaça se tornar um genocídio.

Reuters

10 de abril de 2014 | 17h24

O movimento Seleka, de maioria muçulmana, tomou o poder há um ano e começou a cometer abusos contra a população cristã, majoritária no país, o que desencadeou ondas de ataques de vingança que resultaram em milhares de mortes e o deslocamento de centenas de milhares de civis.

O Conselho de Segurança, de 15 membros, autorizou uma força da ONU, a ser conhecida como Minusca, de até 10.000 soldados, 1.800 policiais e 20 agentes carcerários. O conselho também autorizou a presença de tropas da França no país, uma antiga colônia francesa sem saída para o mar, para apoiar as forças de paz da organização.

A operação da ONU irá assumir em 15 de setembro o lugar da missão da União Africana, a Misca, uma força de 5.600 homens deslocada para o país em dezembro. O conselho quer que a força da ONU incorpore "o maior número possível de militares e policiais da Misca".

"Estou feliz com a chegada dos capacetes azuis porque a sua presença aqui vai trazer de volta a esperança para a população", disse o estudante de sociologia Jean Felix Keinam, de 31 anos, na capital, Bangui. "Nós vimos a Misca (e as tropas francesas) tentar restabelecer a segurança aqui, mas não conseguiram."

Os assassinatos continuaram entre cristãos e as comunidades muçulmanas cada vez mais isoladas na nação empobrecida de 4,6 milhões de pessoas, apesar da presença de 2.000 soldados franceses e das forças da UA. Uma força de 800 soldados da União Europeia está prevista para começar a chegar ao país em maio.

(Reportagem de Michelle Nichols e Crispin Dembassa-Kette)

Tudo o que sabemos sobre:
ONURPAFORCADEPAZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.