Conselho de Segurança aprova maior presença no Iraque

Resolução estende por mais um ano missão no país e amplia suas atribuições

Ap, Afp, Reuters e Efe, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2011 | 00h00

O Conselho de Segurança da ONU aprovou ontem por unanimidade uma resolução que ampliou as responsabilidades da Missão de Assistência da ONU para o Iraque (Unami). O texto, de autoria dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, foi ratificado por todos os 15 membros do Conselho e prolongou por um ano o mandato da Unami, que venceu na sexta-feira.De acordo com o novo documento, a ONU vai dar assistência ao governo iraquiano no sentido de fomentar o diálogo político e a reconciliação nacional, além de revisar a Constituição do país e a organização de eleições. A ajuda promovida pela organização também vai se estender à promoção dos direitos humanos e ao regresso e reinserção dos refugiados no país.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, comemorou a decisão do Conselho. "O presidente acredita que essa aprovação é um importante sinal de compromisso das Nações Unidas em respaldar a estabilidade e a segurança no Iraque.", afirmou a porta-voz da Casa Branca Dana Perino.A ONU retirou grande parte de seus funcionários do Iraque após o atentado contra a sede da organização em Bagdá, em 2003, no qual mais de 20 pessoas morreram - entre eles, o diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello.APOIO A MALIKIO líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, pediu ontem para os sunitas e xiitas do Iraque esquecerem suas diferenças e apoiarem o governo do primeiro-ministro Nuri al-Maliki. Khamenei fez a declaração após se reunir com o premiê iraquiano, que realizava uma visita ao Irã."O principal meio para solucionar os problemas do Iraque é trabalhar pela unidade entre todas as etnias", afirmou. Khamenei também disse que os principais inimigos do Iraque são o sectarismo e a ocupação americana. Ainda ontem, pelo menos dez pessoas morreram e outras 50 ficaram feridas após a explosão de um carro-bomba na cidade de Kirkuk, norte do Iraque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.