Conselho de Segurança aprova sanções contra a Coréia do Norte

O Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade a resolução que impõe sanções punitivas à Coréia do Norte em razão do teste nuclear que o país realizou na última segunda-feira. O Conselho declarou que a ação do país comunista representa "uma ameaça clara à paz e segurança internacionais".A Coréia do Norte imediatamente rejeitou a resolução e seu embaixador na ONU deixou a sala do conselho acusando seus membros de agirem como ?gânsteres?, ignorando a ameaça representada pelos Estados Unidos. O embaixador norte-coreano Pak Gil-yon, disse que seu país quer conversar, mas advertiu que ele considerará um aumento de pressão americana uma declaração de guerra.O embaixador norte-coreano disse ao Conselho que Pyongyang realizou o teste nuclear por causa das ?políticas hostis? dos Estados Unidos. ?Se os EUA aumentarem sua pressão sobre a República Democrática Popular da Coréia, continuaremos a adotar represálias físicas , considerando isso (a pressão) como uma declaração de guerra?, disse Pak. O presidente americano, George W. Bush, disse que o Conselho de Segurança enviou uma clara mensagem à Coréia do Norte sobre seu programa nuclear. Segundo ele, a resolução punindo a Coréia do Norte por seu teste nuclear ?mostra que estamos unidos em nossa determinação? de que a Península Coreana seja livre de armas atômicas.A aprovação aconteceu após os Estados Unidos, a Inglaterra e a França superarem suas diferenças de última hora com a Rússia e com a China. A resolução foi lida pelo presidente rotativo do Conselho, oembaixador do Japão, Kenzo Oshima, antes de ser adotada pelos 15Estados-membros do principal órgão de decisão da ONU.O texto ameniza as inspeções dos navios que partem ou vão ao paísasiático, e o embargo dos produtos químicos nos fluxos comerciaiscom o regime de Pyongyang, que estavam na versão que circulava nasexta-feira no Conselho.Ambas as condições tinham sido exigidas pela China, vizinho eprincipal aliado da Coréia do Norte, para apoiar o documento.A resolução determina ainda que a Coréia do Norte elimine todas as suas armas nucleares, mas deixa claro que não será realizada nenhuma ação militar contra o país, assim como queriam os chineses e os russos. Os americanos também eliminaram a proibição total à venda de armas convencionais. Em seu lugar, a resolução limita o embargo à venda de grandes equipamentos, assim como tanques, navios de guerra, aviões de combate e mísseis. Além disso, está a proibição de exportar artigos de luxo à Coréiado Norte e o bloqueio das contas no exterior de autoridades doregime de Pyongyang. O documento também afirma que Pyongyang deve retomar de imediato eincondicionalmente as conversas de seis lados - duas Coréias, China,Rússia, EUA e Japão - sobre seu programa atômico, e acate o Tratadode Não-Proliferação Nuclear (TNP). O embaixador da Coréia do Norte na ONU afirma que Pyongyang "rejeita totalmente" a resolução impondo sanções ao país.Sanções impostas à Coréia do Norte- Inspeção de navios que partem ou chegam do país- Embargo de produtos químicos- Suspensão do programa nuclear e eliminação das armas nucleares- Embargo à venda de grandes equipamentos bélicos, como tanques, navios, e aviões de guerra- Embargo à exportação de artigos de luxo ao país- Bloqueio das contas no exterior de autoridades do regime- Coréia do Norte deve retomar as conversas de seis lados- País deve acatar o Tratado de não-proliferação

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.