Philippe Wojazer/Reuters
Philippe Wojazer/Reuters

Conselho de Segurança da ONU apoia plano de paz acertado na Líbia

Os membros do Conselho disseram em um comunicado que deram as boas-vindas à reunião de terça-feira em Paris e à declaração conjunta que resultou dela

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2017 | 20h55

NAÇÕES UNIDAS - O Conselho de Segurança da ONU aprovou nesta quinta-feira, 27, um plano acordado pelos líderes rivais da Líbia para estabelecer um cessar-fogo, um diálogo político e eleições, na última tentativa de colocar fim a seis anos de caos no país.

O primeiro-ministro líbio, Fayez al-Sarraj, e Khalifa Haftar, o comandante militar que fica no leste do país, chegaram a um acordo sobre a nova iniciativa durante as conversações promovidas pelo presidente francês, Emmanuel Macron.

Os membros do Conselho, entre eles Rússia e Egito, que apoiam Haftar, disseram em um comunicado que deram as boas-vindas à reunião de terça-feira em Paris e à declaração conjunta que resultou dela.

"Os membros do Conselho instam todos os líbios a apoiarem uma solução política negociada, a reconciliação nacional e um cessar-fogo imediato, como se pede na declaração conjunta" alcançada em Paris, disse o Conselho em uma declaração.

A ONU se empenhou durante meses para relançar os diálogos sobre um acordo alcançado em 2015 para a criação de um governo de unidade nacional que foi rejeitado por Haftar e outras facções.

Sarraj, que foi nomeado no ano passado para dirigir o novo governo de unidade nacional, falhou em afirmar sua autoridade fora de Trípoli, enquanto que as forças de Haftar obtiveram uma importante vitória militar este mês quando se apoderaram de Benghazi, a segunda cidade da Líbia.

A Líbia, rica em petróleo, está em crise desde a queda do líder Muamar Kadhafi em 2011, transformando o país em um centro para o tráfico de pessoas e atraindo grupos jihadistas da região. / AFP 

Mais conteúdo sobre:
Líbia Emmanuel Macron

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.