Issei Kato / Reuters
Issei Kato / Reuters

Conselho de Segurança da ONU 'condena firmemente' disparo norte-coreano

Tratam-se de 'atos escandalosos' os testes do país, considerou o Conselho, que pediu à Coreia do Norte que 'pare imediatamente'

O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2017 | 18h35

NOVA YORK - O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou "firmemente" o último disparo de míssil efetuado pela Coreia do Norte, que sobrevoou o Japão, e o qualificou de "altamente provocador", em declaração adotada durante reunião de urgência feita a portas fechadas nesta sexta-feira, 15.

Tratam-se de "atos escandalosos", considerou o Conselho, que pediu à Coreia do Norte que "pare imediatamente". "Essas ações não são apenas uma ameaça para a região, mas também para todos os Estados-membros da ONU", indica o texto, aprovado pelos 15 integrantes do organismo, incluindo o Japão, membro que não é permanente do Conselho.

A Coreia do Norte disparou às 6h57 desta sexta-feira (18h57 de quinta-feira no Brasil) um míssil que, segundo Tóquio, sobrevoou Hokkaido e caiu no Pacífico, cerca de 2 mil quilômetros a leste da ilha japonesa. Militares sul-coreanos disseram que o míssil foi lançado do distrito de Sunan, onde fica o aeroporto de Pyongyang. 

O míssil norte-coreano alcançou uma altitude de 770 km e voou 3,7 mil km, alcance suficiente para atingir o território americano de Guam. Este foi o 15.º míssil lançado pela Coreia do Norte desde o início do ano. O governo americano afirmou que se trata de um artefato de médio alcance e não representa um perigo para seus territórios.

Imediatamente, o governo da Coreia do Sul pediu uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para discutir o novo desafio lançado pelo líder norte-coreano, Kim Jong-un. / COM AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.