Conselho de Segurança da ONU critica invasão russa

O subsecretário-geral da ONU para Questões Políticas, Jeffrey Feltman, disse aos membros do conselho que os últimos desenvolvimentos na região mostram "uma escalada perigosa"

Estadão Conteúdo

28 de agosto de 2014 | 16h25

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) se reuniu nesta quinta-feira em sessão emergencial para discutir a escalada da crise na Ucrânia. Alguns membros do conselho expressaram seu ultraje com a situação, horas após uma autoridade de alto escalão do governo ucraniano afirmar que comboios de tanques russos invadiram o país.

O subsecretário-geral da ONU para Questões Políticas, Jeffrey Feltman, disse aos membros do conselho, assim que a reunião começou, que os últimos desenvolvimentos na região mostram "uma escalada perigosa do conflito", mas que a organização internacional não tinha meios para confirmar os últimos "relatos extremamente alarmantes".

A embaixadora do Estado Unidos, Samantha Power, disse ao conselho que "todos têm que mandar uma mensagem clara e unificada: ''Rússia, pare com este conflito. Rússia, você não está nos ouvindo''". "A Rússia veio diante deste conselho para dizer tudo, menos a verdade", criticou Power.

"Nós vamos continuar a trabalhar com os parceiros do G7 para ampliar as consequências contra a Rússia", disse a embaixadora. A França também ameaçou intensificar as sanções contra o país se a escalada do conflito continuar.

Antes do encontro, o embaixador russo para a ONU, Vitaly Churkin, disse a repórteres que eles "não sabem mais o que dizer", sem dar mais comentários.

A embaixadora do Reino Unido, Mark Lyall Grant, afirmou que "a Rússia deve explicar porque tem tropas dentro da Ucrânia. É muito claro que os soldados russos estão agora em território ucraniano". A embaixadora da Lituânia, Raimonda Murmokaite, que solicitou a reunião de emergência, publicou em seu Twitter antes do início do encontro: "uma invasão é uma invasão é uma invasão". Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiaONUreunião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.