AP/Syrian Civil Defense White Helmets
AP/Syrian Civil Defense White Helmets

Conselho de Segurança da ONU deve se reunir na segunda para discutir ataque químico na Síria

Diversas nações solicitaram reunião de emergência para debater atentado deste domingo

O Estado de S. Paulo

08 Abril 2018 | 20h56

O Conselho de Segurança das Nações Unidas deve se reunir na tarde da segunda-feira, a pedido dos Estados Unidos e de diversos outros membros, para discutir o recente ataque com armas químicas na Síria, disseram diplomatas neste domingo.

“Reino Unido, França, EUA, Polônia, Holanda, Suécia, Kuwait, Peru e a Costa do Marfim pediram uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para discutir relatos de ataque de armas químicas na Síria. A reunião é esperada para a segunda-feira”, disse pelo Twitter a missão britânica para as Nações Unidas.

+ Ataque químico na Síria mata ao menos 40 pessoas; Trump responsabiliza Putin e Irã

Enquanto isso, a Rússia também pediu uma reunião na segunda-feira sobre “ameaças internacionais à paz e segurança”, disseram diplomatas no domingo. O assunto preciso do que os russos queriam discutir não ficou imediatamente claro.

O pedido, no entanto, veio após o presidente Donald Trump declarar por meio do Twitter no domingo que haveria um “grande preço para pagar” pelo ataque químico contra a cidade controlada por rebeldes na Síria, onde grupos de ajuda médica relataram que dezenas de pessoas foram mortas por gás venenoso.

+ Rússia nega uso de armas químicas em ofensiva governamental contra Duma

Uma declaração conjunta da organização de assistência médica Syrian American Medical Society (SAMS) e o serviço de defesa civil, que opera em áreas controladas por rebeldes, disse que 49 pessoas morreram no ataque no final do sábado na cidade de Douma. EUA e outras autoridades disseram que estavam trabalhando no domingo para verificar detalhes do ataque./Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.