Conselho de Segurança da ONU discute crise de mísseis coreanos

O Conselho de Segurança da ONU se reúne a portas fechadas nesta quarta-feira, às 11 horas (de Brasília), a pedido do Japão, para discutir a crise provocada pelo lançamento de vários mísseis por parte da Coréia do Norte, informaram fontes da organização.A reunião foi solicitada pelo embaixador do Japão na ONU, Kenzo Oshima, ao embaixador da França, Jean-Marc de la Sabliere, que ocupa a presidência rotativa do Conselho de Segurança no mês de julho. Na reunião, o Japão pode apresentar um projeto de resolução contra a iniciativa norte-coreana. Mas os detalhes do texto ainda são desconhecidos. O ministro de Relações Exteriores do Japão, Taro Aso, anunciou que seu país vai impor suas próprias sanções econômicas à Coréia do Norte em represália ao lançamento dos mísseis, um deles intercontinental. Em declarações à imprensa citadas pela agência Kyodo, Aso confirmou que um dos pelo menos seis mísseis disparados era de longoalcance. Ainda existe uma certa confusão sobre o número exato de mísseis que foram disparados. O governo japonês disse que pelo menos um deles pode ser de longo alcance, o que representa um grande motivo de preocupação para o país. O Departamento de Estado americano, por sua parte, considerou a iniciativa norte-coreana "uma provocação" e enviou para o leste da Ásia seu negociador para assuntos coreanos, o subsecretário de Estado, Christopher Hill. O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Steve Hadley,comentou, no entanto, que a ação "não representa nenhuma ameaça" para os Estados Unidos. Hadley afirmou, além disso, que foram cinco os mísseis confirmados e não seis. Porém, fontes de inteligência da Coréia do Sul elevaram o número a 10. O presidente dos EUA, George W. Bush, considerou o lançamento de mísseis por parte da Coréia do Norte um "desafio contra a comunidadeinternacional", segundo fontes oficiais da Casa Branca. EUA e Japão já tinham avisado que poderiam recorrer ao Conselho de Segurança da ONU para impor sanções econômicas no caso de lançamento de um míssil balístico. O embaixador dos EUA na ONU, John Bolton, iniciou conversações urgentes com os outros membros do Conselho de Segurança, preparando a reunião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.