Richard Drew/Ap
Richard Drew/Ap

Conselho de Segurança da ONU extingue missão na Síria

Grupo de 300 monitores será substituído por uma equipe de assessores políticos e militares

estadão.com.br,

16 de agosto de 2012 | 16h35

O Conselho de Segurança da ONU extinguiu nesta quinta-feira, 16, a missão de observadores a Síria. O grupo de 300 monitores internacionais será substituído por uma pequena equipe de assessores políticos e militares, além de especialistas em direitos humanos. O novo escritório será responsável por coordenar na Síria os esforços da Liga Árabe e das Nações Unidas para pôr um fim ao conflito de 18 meses.

Veja também:

link Chefe humanitária da ONU diz que 2,5 milhões de sírios precisam de ajuda

link Caminhão explode perto de hotel da ONU em Damasco, na Síria

De acordo com o embaixador da França na ONU, Gerard Araud, que preside o conselho, houve consenso em pôr fim a missão e substituí-la pelo escritório, conforme proposto pelo secretário-geral Ban Ki-moon. O diplomata europeu disse ainda que as condições para a prorrogação do mandato dos observadores - uma diminuição significativa da violência e o fim do uso de armas pesadas - não foram cumpridas. A validade da missão acaba no domingo.

Em carta ao conselho na semana passada, Ban argumentou ser imperativo que a ONU mantenha presença na Síria para apoiar os esforços de intermediação conjunta com a Liga Árabe para obter uma solução diplomática para a crise. As Nações Unidas têm atualmente101 observadores e 72 funcionários civis na Síria. O novo escritório deve ter entre 20 e 30 membros.

A atuação deles na Síria era uma das premissas do plano negociado pelo ex-enviado da ONU e da Liga Árabe Kofi Annan. Com seis pontos, o acordo previa também um cessar-fogo, o início de negociações e formação de um governo de transição, mas nunca foi implementado.

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.