Conselho de Segurança da ONU 'lamenta' eleição no Zimbábue

O Conselho de Segurança daOrganização das Nações Unidas (ONU) lamentou profundamente adecisão do Zimbábue de realizar o segundo turno das eleiçõespresidenciais na sexta-feira já que não havia condições derealizar um pleito livre e justo. O conselho "chegou à conclusão de que não existiamcondições para realizar eleições livres e justas. E lamentamosprofundamente o fato de as eleições terem sido realizadasnessas circunstâncias", disse em um comunicado o embaixador dosEUA junto ao órgão, Zalmay Khalilzad, atual presidente doConselho de Segurança. "Os membros do Conselho concordaram com discutir a questãonovamente dentro de alguns dias", afirmou o comunicado. O conteúdo do texto, menos severo do que uma versãoanterior dele, viu-se aprovado pelos 15 países-membros doórgão, entre os quais a África do Sul, a China e a Rússia, queantes se opuseram a tratar da questão do Zimbábue dentro doConselho de Segurança. Ignorando as pressões internacionais para adiar ou cancelaro pleito, o presidente zimbabuano, Robert Mugabe, manteve seusplanos, e isso apesar do fato de ter saído da disputa ocandidato oposicionista, Morgan Tsvangirai, que acusousimpatizantes do dirigente de realizar uma campanha deviolência e intimidação. Khalilzad acrescentou que os EUA estavam prontos para falarcom outros membros do Conselho sobre a possibilidade de imporsanções contra o Zimbábue. "Já demos início a discussões com alguns colegas a respeitode uma resolução que imporia sanções direcionadas contra oregime, pressupondo-se que a situação continue a ser a mesmados últimos tempos", disse o embaixador norte-americano. Os diplomatas disseram, no entanto, que, em face daresistência da África do Sul, da China e da Rússia, seriaimprovável a imposição de sanções pelo Conselho. Ao invésdisso, medidas do tipo devem ser aprovadas pelos EUA, pelaUnião Européia (UE) e por outros governos do Ocidente. (Reportagem de Louis Charbonneau)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.