Conselho de Segurança deve emitir comunicado contra violência na Líbia

Diplomatas se reúnem para discutir crise no país; Liga Árabe decide suspender Trípoli de reuniões

estadão.com.br,

22 de fevereiro de 2011 | 15h21

O Conselho de Segurança das Nações Unidas manteve uma reunião a portas fechadas nesta terça-feira, 22, sobre a crise na Líbia. O grupo, formado por 15 países e presidido pelo Brasil, deve voltar a se reunir hoje e emitir um comunicado pedindo o fim da violência contra manifestantes. No Cairo, a Liga Árabe decidiu suspender a Líbia das reuniões da entidade. 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

O conselho se reuniu com a representação líbia na ONU, que ontem anunciou que não respondia mais a Kadafi, mas, sim,  ao povo líbio. A violenta repressão desencadeada pelo ditador contra a população, que incluiu o uso de aviões de guerra, gerou revolta de membros do governo, particularmente diplomatas.

 

"A escala de violência das forças de segurança contra manifestantes pacíficos é realmente chocante", disse o embaixador alemão Peter Wittig.

 

 "Acreditamos que é o caso do Conselho de Segurança agir com uma mensagem clara e imediata", acrescentou.

Fontes diplomáticas indicaram que China e Rússia "não puseram impedimentos e querem seguir adiante" com a advertência ao regime de Kadafi.

Por enquanto há certa confusão sobre quem será o responsável de informar os membros das Nações Unidas sobre a situação nesse país, já que tanto o representante permanente, Abdurrahman Mohamed Shalgham, como seu adjunto, Ibrahim Dabbashi, solicitaram discursar com posições diferentes.

Dabbashi solicitou na segunda-feira à Presidência do Conselho uma reunião de urgência do principal órgão de decisões das Nações Unidas, ao tempo que indicou que Kadafi deve "deixar o poder o mais rápido possível". Ao término dessa primeira reunião dos 15, Shalgam assinalou que está "ainda com Kadafi. É meu amigo".

Leia ainda:

linkAtaques na Líbia podem ser crimes contra a humanidade, diz ONU

linkAviões militares retomam ataques contra manifestantes

linkKadafi promete morrer como mártir e retomar cidades rebeldes


Com Efe e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.