Conselho de Segurança discute crise no país

O Conselho de Segurança da ONU se reuniu na tarde de ontem para discutir o conflito em Mali enquanto as autoridades americanas deixavam claro que devem manter o apoio logístico para a França seguir com a intervenção contra os rebeldes ligados à rede terrorista Al-Qaeda.

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2013 | 02h11

Segundo o secretário da Defesa, Leon Panetta, que realiza a sua última viagem como líder do Pentágono para a Europa, a administração do presidente Barack Obama prometeu trabalhar com os franceses, cooperar com eles e fornecer toda a assistência necessária no esforço para derrotar os militantes em Mali.

Os EUA, ainda envoltos no processo para encerrar a ocupação do Afeganistão nos próximos dois anos, temem que a filial da Al-Qaeda no Norte da África estabeleça uma nova base de operações no norte do Mali. Mas o governo Obama prefere deixar o comando das ações nas mãos dos franceses, sem o envio de tropas. "Estamos preocupados que, a qualquer momento, a Al-Qaeda do Magreb estabeleça uma base de operações em Mali. Mesmo sem neste momento ter um plano para atacar os EUA e a Europa, esse pode ser ainda ser o objetivo deles", acrescentou o chefe do Pentágono.

Na intervenção da Otan na Líbia, em 2011, os americanos lideraram o início dos ataques aéreos para implementar uma zona de exclusão aérea contra o regime de Muamar Kadafi e depois passaram o comando da operação para os europeus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.