Andrew Burton/Getty Images/AFP
Andrew Burton/Getty Images/AFP

Conselho de Segurança diz que não condenará atentado na Síria

Notícia do ataque foi recebida com preocupação, mas nenhuma atitude drástica será tomada

Efe,

18 de julho de 2012 | 20h17

NAÇÕES UNIDAS - O Conselho de Segurança da ONU recebeu com preocupação a notícia sobre o atentado de Damasco, que provocou a morte do ministro da Defesa do país, mas não deve tomar atitudes drásticas, segundo o presidente da entidade, o colombiano Néstor Osorio. "Os membros do Conselho de Segurança registraram os últimos trágicos eventos na Síria como algo muito lamentável", disse o presidente rotativo do principal órgão internacional de segurança.

Veja também:

link Obama e Putin reafirmam necessidade de transição política na Síria

link Rei da Jordânia diz que regime sírio sofreu 'duro golpe'

Os rebeldes sírios promoveram, nesta quarta-feira, 18, o maior golpe desde março de 2011 contra o regime do presidente Bashar Assad, matando o ministro e vice-ministro da Defesa, além de um assistente presidencial. "São notícias extremamente lamentáveis e se trata de uma reação da oposição que tem todos os ingredientes de uma batalha interna de grande magnitude. Damasco está em chamas", acrescentou o diplomata colombiano, que acrescentou, no entanto, que o Conselho não contempla a possibilidade de emitir uma condenação oficial.

"Conseguir um consenso para condenar atos de violência está ficando muito difícil na ONU", disse o presidente do Conselho ao ser perguntado sobre a possibilidade de uma condenação contra o atentado. De qualquer forma, os membros do Conselho de Segurança estão centrados na votação de amanhã, que decidirá se o projeto de resolução ocidental, que ameaça impor sanções ao regime sírio, será aprovado.

"O Conselho manteve as portas abertas para o diálogo entre os membros, buscando uma fórmula ideal para tratar os problemas do país", disse Osorio. Segundo o atual presidente do Conselho, o texto ocidental, que também propõe a extensão por 45 dias da presença dos observadores internacionais na Síria, é "uma resolução orientada a pôr fim à violência, obter o cessar-fogo e conseguir um compromisso do Governo e da oposição para um diálogo político".

Após curta reunião na manhã desta quarta, os membros permanentes do principal órgão internacional de segurança acataram o pedido do enviado especial da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Kofi Annan, para atrasar o voto da resolução para quinta-feira.

Sobre a Rússia, o embaixador da França na ONU, Gérard Araud, explicou que não há nada para discutir "se nossos amigos não trazem contribuições". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.