Conselho iraquiano quer julgamento público para Saddam

Dirigentes do Conselho de Governo Iraquiano (CGI), nomeado pelos EUA, afirmaram neste domingo que Saddam Hussein será levado a julgamento público no Iraque por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade. O julgamento deve ser feito por um polêmico tribunal especial criado na semana passada pelo CGI (após acordo com os EUA), que poderia ditar como punição máxima a pena de morte. Tal punição foi suspensa pelas autoridades norte-americanas de ocupação, mas dirigentes iraquianos disseram que será estudada sua reinstauração quando um governo transitório assumir o poder, em julho. O comandante das tropas norte-americanas no Iraque, general Ricardo Sanchez, disse que os EUA ainda não decidiram o que fazer com o ex-ditadorEm declarações à TV Al-Iraqiya, um líder do CGI, Ahmad Chalabi, afirmou que "Saddam enfrentará um julgamento público para que o povo conheça seus crimes." Outro membro do conselho, Adnan Pachachi, disse que "não há dúvida de que será um processo iraquiano". O colega Mouwafak al-Rabii disse que o julgamento seguirá "padrões internacionais". Segundo o presidente do CGI, Abdelaziz al-Hakim, o tribunal deve julgar acusados de crimes cometidos a partir de 17 de julho de 1968, quando o Partido Baath, de Saddam, chegou ao poder.O CGI tem ignorado apelos de grupos de defesa dos direitos humanos para que o tribunal recém-criado seja integrado por juízes internacionais e descarte a pena de morte. A Anistia Internacional assinalou que Saddam deve ter status de prisioneiro de guerra e deve ser autorizado a receber visitas da Cruz Vermelha Internacional. "Ele tem direito a todas as salvaguardas previstas pela legislação internacional, incluindo o direito a não ser maltratado e, é claro, o de ter um julgamento justo", disse uma porta-voz da anistia, Nicole Shoueiry. Ela manifestou dúvidas quanto à legitimidade do tribunal criado pelo CGI. "Ele foi estabelecido sem consultas com a sociedade civil iraquiana, legisladores iraquianos ou especialistas internacionais, como a ONU."Já um líder do partido xiita Conselho Supremo para a Revolução Islâmica, Amar al-Hakim, afirmou que, num "julgamento justo", Saddam deve ser condenado a "centenas de penas de morte por ser responsável por todos os massacres no Iraque".Deverão ser julgados, entre outros, casos relacionados às execuções em massa de curdos iraquianos no anos 80; à repressão de revoltas curdas e xiitas logo após a primeira Guerra do Golfo, em 1991; à guerra contra o Irã (1980-88) e à ocupação do Kuwait (1990-91), disse Al-Hakim.» Veja a galeria de imagens

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.