TV Estatal do Egito/AP
TV Estatal do Egito/AP

Conselho militar antecipa transferência para governo civil no Egito

Forças Armadas prometem passagem completa de poder até julho de 2012; manifestantes rejeitam

Agência Estado

22 de novembro de 2011 | 15h18

CAIRO - O Conselho Supremo das Forças Armadas do Egito concordou em formar um governo de salvação nacional e passar completamente o poder às autoridades civis até julho de 2012. A decisão foi informada nesta terça-feira, 22, por Selim al-Awwa à agência estatal de notícias MENA, citada pela agência France Presse (AFP).

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

mais imagens GALERIA: Enfretamentos no centro do Cairo

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

 

A junta militar concordou com a passagem de poder após quatro dias de manifestações na Praça Tahrir, no centro do Cairo, e violentos confrontos com os opositores, que deixaram pelo menos 29 mortos.

 

"Foi acordado na reunião, presidida pelo vice dirigente do Conselho das Forças Armadas, Sami Enam, que será formado um governo de salvação nacional, o qual implementará os objetivos da revolução", disse Awwa, pré-candidato presidencial que participou do encontro. Awwa disse que também foi acordado que "o poder deverá ser transferido a um presidente civil eleito, até no máximo o final de junho de 2012".

 

Enquanto isso, na Praça Tahrir, dezenas de milhares de egípcios rejeitaram o anúncio dos militares. "Não vamos sair, ele que vai!", gritava a multidão em referência ao chefe do governo militar, o marechal Hussein Tantawi.

 

A junta militar egípcia enfrenta a pior crise política desde a queda de Hosni Mubarak em 11 de fevereiro. As forças de segurança mantiveram-se fora da praça, que já havia sido palco dos protestos de fevereiro que terminaram com o fim do regime ditatorial, para evitar o aumento das tensões, mas houve enfrentamentos nas ruas próximas do local.

 

A nova onda de protestos e violência em todo o país ocorre uma semana antes das eleições parlamentares e coloca a realização do pleito em risco. Para piorar a situação, o gabinete civil respaldado pelos militares renunciou devido à resposta desproporcional aos protestos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.