Conselho taleban se reuniu com ONU em janeiro, diz jornal

Insurgentes discutiram negociações com enviado especial ao Afeganistão e podem dar início a processo de paz

estadao.com.br,

29 de janeiro de 2010 | 09h21

Comandantes do Taleban participaram de reuniões secretas com o enviado especial da ONU para o Afeganistão neste mês para discutir termos de paz, informou nesta sexta-feira, 29, o diário britânico The Guardian, que cita uma fonte anônima da entidade mundial.

 

O conselho de comandantes regionais do Taleban, conhecido como Quetta Shura, se reuniu com Kai Eide, enviado especial da ONU para o Afeganistão, no dia 8 de janeiro em Dubai, nos Emirados Árabes. "Eles quiseram uma reunião para discutir as negociações. Eles querem proteção, poder cair em público. Eles não querem acabar em lugares como Belgram", disse um funcionário da ONU referindo-se ao centro de detenção que os EUA mantêm no país asiático.

VEJA TAMBÉM:
especial Especial: 30 anos de violência

 

A reunião de Dubai foi confirmada por oficiais com conhecimento do encontro, mas eles disseram que não podiam fornecer mais detalhes. O encontro foi o primeiro entre os insurgentes e representantes da ONU e sugere que as negociações de paz ainda estão vivas desde que contatos de Cabul e do Taleban cessaram no ano passado.

 

A reunião também mostra que alguns militantes possam estar de acordo na mediação de uma organização internacional para colocar fim à guerra contra o Taleban liderada pelos EUA que já dura nove anos.

 

As notícias sobre a reunião secreta surgiram ao fim da conferência de Londres para o Afeganistão, realizada na quinta-feira para discutir a transição da segurança das tropas internacionais para as forças afegãs e para a implementação de políticas visando as áreas política, social e econômica do país.

 

Embora tenha sido um passo importante, não se sabe como foi a reunião de Eide com os taleban. Segundo a fonte da ONU, os insurgentes estariam divididos sobre confiar na entidade para estabilizar a situação no país.

 

"Acreditamos que haja comandantes cansados da luta e que perceberam que nenhum lado vencerá. Há uma parcela de comandantes mais jovens que acreditam ser um erro continuar ao lado da Al-Qaeda", disse o funcionário. "Esse é o 'novo Taleban', não tão extremista algumas pessoas do governo. Eles podem se comprometer em alguns fatores, como direitos das mulheres, educação de jovens garotas e outros assuntos", completou.

 

Na conferência de Londres, o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, disse que convocará uma reunião com os líderes taleban para discutir os termos de reconciliação do país. Os insurgentes ainda não emitiram resposta ao convite do mandatário.

Tudo o que sabemos sobre:
AfegaistãoTalebanONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.