Conselho vai investigar corrupção e fortunas suspeitas na Bolívia

O presidente da Bolívia, Evo Morales, criou um Conselho Nacional para investigar casos de corrupção e de fortunas suspeitas no país. Morales, em entrevista coletiva, disse que o novo organismo, criado por decreto, será integrado por representantes da Central Operária Boliviana, do Colégio Nacional de Advogados, do Comitê Executivo da Universidade Boliviana e da Federação de Mulheres Camponesas Bartolina Cava. O presidente do Conselho será eleito entre seus membros pelo chefe de Estado. O decreto também determina que a luta contra a corrupção será coordenada por promotores e juízes especializados da recém-criada Força Especial de Luta Contra o Crime, uma unidade de inteligência financeira e patrimonial, e pela Controladoria Geral da República. Morales disse que "o principal inimigo dos bolivianos é a corrupção", que, segundo ele, ficou "institucionalizada" no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.