J Pat Carter/AFP
J Pat Carter/AFP

Conservador Ted Cruz é lanterna em Nova York

Primárias de terça-feira podem ser decisivas para o esforço de Cruz de evitar que Donald Trump consiga o número suficiente de votos para garantir sua candidatura à presidência antes da Convenção do Partido Republicano

Cláudia Trevisan, enviada especial a Nova York, O Estado de S. Paulo

18 Abril 2016 | 04h00

NOVA YORK - “Cruz é um idiota” é uma das resposta dadas por moradores da maior cidade dos EUA quando questionados sobre o senador texano Ted Cruz e suas críticas aos “valores de Nova York”. Alguns preferem o adjetivo “imbecil” ou expressões impublicáveis. Superconservador, o candidato está em claro descompasso com uma das regiões mais liberais do país e amarga o último lugar nas pesquisas de intenção de voto entre os eleitores republicanos no Estado.

Com 95 delegados em disputa, as primárias de terça-feira podem ser decisivas para o esforço de Cruz de evitar que Donald Trump consiga o número suficiente de votos para garantir sua candidatura à presidência antes da Convenção do Partido Republicano, em julho. 

O bilionário é o líder dentro da legenda, mas pode encerrar o período de prévias sem o número mágico de 1.237 delegados que lhe dariam a nomeação. Se não atingir a cifra, Trump enfrentará uma convenção aberta, na qual os delegados serão liberados para escolher quem quiserem caso nenhum dos candidatos obtenha mais de 50% dos votos no primeiro turno de votação.

Se as pesquisas se confirmarem, Nova York será o primeiro Estado em que Trump conquistará mais da metade do eleitorado republicano. O resultado daria a ele 14 dos 95 delegados. Caso o bilionário não atinja os 50% dos votos, esses representantes serão distribuídos de maneira proporcional entre os candidatos. Os restantes 81 são definidos em votações distritais, que seguem as mesmas regras na divisão dos delegados.

A média dos últimos levantamentos calculada pelo site Real Clear Politics dá a Trump 52,2% das intenções de voto em seu Estado natal. Em seguida aparece o governador de Ohio, John Kasich, com 23,2%. Cruz é preferido apenas por 17,8% dos eleitores.

“Ted Cruz é um idiota”, disse Eric F., um estudante de sociologia de 23 anos que pretende votar no democrata Bernie Sanders. Em sua opinião, o senador texano coloca a Bíblia acima da Constituição e tem posições extremamente conservadoras em uma série de temas relevantes.

Pressionado a definir o significado de “valores de Nova York”, Cruz disse que se referia aos princípios “socialmente liberais” que dominam a cidade mais multicultural dos Estados Unidos. O senador é um defensor do porte irrestrito de armas e gravou um vídeo para sua campanha no qual “frita” bacon no cano de um fuzil aquecido por seus disparos. Em Nova York, a maioria da população é favorável à imposição de limites ao uso de armas pelos cidadãos. O senador também condena a prática do aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o que o coloca em rota de colisão com a maior parcela das 8,5 milhões de pessoas que vivem na cidade.

Apesar de prevalência de princípios liberais, muitos nova-iorquinos têm dificuldade em definir os valores locais. “Não dá para generalizar. Há o lado de Nova York focado em ganhar dinheiro e há outro que se expressa em um estilo de vida boêmio”, disse Keely Schafer, uma roteirista de 23 anos.

Ryan Henderson, que também tem 23 anos, trocou New Orleans por Nova York há quatro meses, atraído pela diversidade e oportunidades oferecidas pela cidade. Mas o valor que mais aprecia é a possibilidade de sobreviver sem carro, graças ao amplo sistema de transporte público – mais um contraste entre o estilo de vida local e o de Cruz. No Texas, é quase impossível viver sem carro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.